Friday, June 30, 2006

apenas um vício


APENAS UM VÍCIO

Bufões transvestidos de poetas

burocráticos arrogantes,
pedantes pregoeiros
vós sois os porta-flâmulas
brandindo insígnias desbotadas.
Ser poeta não é um título de glória.
Apenas um vício natural.
Um fardo que por medo
amarramos mal.
EUGÊNIO MONTALE

1896 - 1981
ITÁLIA
(tradução de Ivo Barroso)

Saturday, June 24, 2006

sob o céu do libano



.
.
.
.
.
.
.
Sob o céu do Libano ganhou o Prêmio Especial do Júri, no Festival de Veneza em 2.003. Filme da cineasta libanesa Randa Chahal Sabag, encenado na fronteira entre o Líbano e Israel. Prometida para um primo que vive no lado israelense, a adolescente Lamia apaixona-se por um árabe que serve ao exército de Israel. O filme é de uma grande verdade e de uma grande ternura. O amor acontece todo dia, em fronteiras, campos de concentração, escolas, lanchonetes, estradas, aviões, mesquitas, praias. E demanda luta - amar. Atravessar pontes, beber um gole de fel, pisar vez por outra o céu... As mãos da personagem Lamia querendo triturar o arame farpado e atravessar a linha. Gosto de filmes com poucos diálogos, poéticos, inteligentes, como este. As descobertas. O desejo. Cada pessoa que se apaixona é uma casa aberta.

Tuesday, June 20, 2006

noir














claude théberge


..
Se me levasses a ver tua cena,
cairia - em néon azul -
o espírito de Billie Hollyday
em uma mesa de bar.
As calçadas refletiriam
andares a esmo
alçando pilares de desejo e
meninas nuas em camas de areia
com o pó negro de kohl
derretendo em prazer
no olhar.
Ou, um quarto – silêncio,
violão e cama.
Clara solidão.
Tuas cenas nítidas.


Eu - uma cena escura & vaga.
- lusco-fusco antigo -
banhada em ausência
da tua imagem em arco-íris.
Sangue ocre de árvores mortas
espalhadas em mil papiros de agora
-A4-
poesia narrada

entre o branco-ausência
e o choro ocre das árvores,
afogada em celulose,
olhando esta lua pobre,
que me confessou, corando,

em surdina
- que também adora o menino.


BÁRBARA LIA
(do livro inédito - NOIR)

Wednesday, June 14, 2006

poemail





Aprendi a fazer aquilo
que deve ser como as donas de casa fazem:
esperar um afeto ao final dos dias.

A trancos e barrancos
vivi uma vida
(mais que o tempo que você viveu)
em burocracia asfixiante,
casamento sem sal

ou açúcar e vida moldada,
que me asfixiava.
Me fazia acordar nas noites
a procurar um caminho,
que me levou

a esta pobreza abençoada
chamada solidão.


Bárbara Lia





---

O site de poesia falada criado por José Tadeu Filippini ganhou novas poesias. São seis páginas com poesias faladas:
-Chá para as borboletas.
-Diáfana.
-Infância.
-Algum dia lerás estas palavras?...
-Violetas brancas
-Tábula rasa.

- quem quiser conhecer esta nova página minha e a leitura poética de José Tadeu Filippini:
http://barbarushicegosum.tripod.com/index.html


Friday, June 09, 2006

uma canção de amor para bobby long


















"Eu tive uma briga de amantes com o mundo" Robert Frost - do filme Uma canção de amor para Bobby Long

Monday, June 05, 2006

leopardi



L'infinito

Sempre caro mi fu quest'ermo colle,
e questa siepe, che da tanta parte

dell'ultimo orizzonte il guardo esclude.
Ma sedendo e mirando, interminati
spazi di là da quella e sovrumani

silenzi, e profondissima quiete
io nel pensier mi fingo; ove per poco
il cor non mi spaura. E come il vento
odo stormir fra queste piante, io quello
infinito silenzio a questa voce
vo comparando: e mi sovvien l'eterno,
e le morte stagioni, e la presente
e viva, e il suon di lei. Così tra questa
immensità s'annega il pensier mio;
e il naufragar m'è dolce in questo mare.
Giácomo Leopardi

O Infinito

Sempre caras me foram essas ermas colinas,
e essa cerca, que por toda parte,
do último horizonte, o olhar exclui.
Mas sentando e admirando, intermináveis
espaços para lá delas e sobre-humanos
silêncios, e profundíssima quietude
eu, no pensamento, me finjo; onde por pouco
o coração não me amedronta. E, como vento
ouço sussurrar entre estas plantas, eu, aquele
infinito silêncio à essa voz,
vou comparando: e me sobrevêm o eterno,
e as estações mortas, e a presente
e viva, e o som dela. Assim, dentro dessa
imensidão se afoga o pensamento meu;
e o naufragar-me é doce nesse mar.
Giácomo Leopardi

Tradutora - Patrícia Camila Greter
Formada em Letras Português Italiano - UFPR

- com ênfase em tradução -

Saturday, June 03, 2006

site de poesia falada




hourglass
Luciana Teruz
http://www.teruz.com/




Tem uma torneira vazando
enlouquecendo em azul
a noite.
Cai em ritmo de segundos.
Tatua o tempo em estilhaços líquidos.
Estoura em fragmentos.
Os pingos alertam
o que a areia silencia - enganosa.
Hoje tudo está rubro
– farfalhante –
a camisola de fogo combina
com o pingar aflito do tempo
– água –

minha alma silenciosa
necessita coragem
para a inevitável passagem
de grão de areia para pingo d'água.
Bárbara Lia
*
Barbarus Hic Ego Sum - Site de poesia falada da Bárbara Lia:
http://barbarushicegosum.tripod.com/index.html
O site é um presente de José Tadeu Agneli Filippini - Ator e Professor de Inglês que vive em São Paulo.
Ele gravou alguns poemas meus e criou uma bela página, que me deixou comovida prá caramba.