Thursday, March 06, 2014

Quermesse - Sylvio Back


                             
 QUERMESSE: TODA POESIA ERÓTICA DE SYLVIO BACK



Com prefácio do poeta e crítico literário Felipe Fortuna, que chama o autor de “poeta original”, a Topbooks está lançando Quermesse, a obra reunida de versos eróticos do cineasta e escritor Sylvio Back, um dos raros a investir nessa dicção incomum da lírica brasileira.
Compilando seus livros anteriores – O caderno erótico de Sylvio Back (1986), A vinha do desejo(1994), boudoir (1999) e As mulheres gozam pelo ouvido (2007) – Quermesse abre com 55 poemas inéditos, e traz soberba fortuna crítica, com elogios que vão de Paulo Leminski, Décio Pignatari e Moacyr Scliar a Carlos Nejar, Marcelino Freire e Affonso Romano de Sant’Anna, entre outros.

Precipícios do corpo
        No encalço do reconhecimento de Manoel de Barros, um dos primeiros a ler seus poemas nos anos 1980, quando estreou, Back retorna emQuermesse com o mesmo torque explícito do verso desmetaforizado, justamente para discorrer “sobre os precipícios do corpo e as estripulias do ato sexual sem rebuços de linguagem ou disfarces temáticos”.
E faz suas as palavras do premiado autor matogrossense – “A poesia empurece qualquer palavra; não há palavra impura para o poeta” – tanto quanto as do inglês W.H. Auden, epígrafe do livro: “Todas as palavras estão certas e são todas suas”.  
                   
O poeta é casto
         Ao descrever sua obra, Sylvio Back alinha-se aos cultores do poema fescenino (o humor e o vocabulário desbragados), que vem do Egito, da Grécia, da Roma antiga, e dos trovadores da Idade Média – além de vertente nobre da lírica europeia (dos séculos XVII ao XIX), oriental e africana, seja profana ou religiosa (“os melhores poemas religiosos estão repletos de erotismo”, segundo o americano Charles Simic) – para afirmar que, “sim, meus poemas são libidinosos, mas o poeta é casto!”
Diz ele que o palavrão, as chamadas malas palabras em castelhano (a propósito, como assinala o filósofo Sérgio Paulo Rouanet), jamais perdem seu valor semântico ao longo do tempo: embora sancionadas – e muitas vezes até fora de contexto – no cinema, no teatro e na literatura, são proscritas da poesia.
“Justamente por recorrer a um jargão cassado por sua crueza, comicidade e nonsense, pelo tônus licencioso e bestialógico dos versos – apesar de prática oral, de cordel e erudita de todos os povos civilizados – a poesia fescenina (termo associado à cidade etrusca de Fescênia) geralmente é censurada e censurável, quando não escamoteada aos leitores, mesmo nesses tempos de extrema permissividade e exposição sexual”, comenta Back. Em Quermesse, vaticina o autor, “retomo o DNA histórico do poema erótico como manifestação holística maior da língua”.

Xangrilá ditoso
        O verso obsceno (ou seja, fora de cena) tem seu nascedouro ancorado na cultura popular, nas feiras, em praça pública. São sempre estrofes lúbricas, com forte registro circense e de crítica moral, que vêm desde os clássicos romanos Catulo, Ovídio e Marcial, passando pelas medievais “cantigas d’escárnio e de mal dizer”; pelo veneziano Aretino; pelo “Boca do Inferno” Gregório de Mattos; os portugueses Bocage, Fernando Pessoa e António Botto (autor do genial livro Bagos de Prata), e ainda os nossos Bernardo Guimarães e Oswald de Andrade;  Paulo Vellozo, Jayme Santos Neves e Guilherme Santos Neves (autores do antológicoCantáridas), além de Manuel Bandeira e o Drummond de Amor Natural.
Autor do texto de apresentação do livro, que intitulou de “Deflorais de Back”, o jornalista e escritor Roberto Muggiati sentencia: “Não existe tristeza na Utopia backiana, o gozo é eterno neste novo mundo amoroso, Xangrilá ditoso que une num jardim das delícias os países baixos e os cumes cerebrais. Um sexo sem tristeza e sem culpa, ao melhor estilo do nosso pai espiritual, Henry Miller, que já líamos imberbes nas noites frias da velha Curitiba”.

SERVIÇO
Quermesse, de Sylvio Back
Formato: 16cm x 23cm
280 páginas / R$ 43,90
ISBN: 978-85-7475-227-3
Capa: Adriana Moreno sobre desenho inédito de Géza Heller (Hungria, 1902 – Minas Gerais, 1992)
Topbooks Editora e Distribuidora de Livros Ltda.
Telefax: 2233.8718 / 2283.1039


O AUTOR
Sylvio Back – cineasta, poeta, roteirista e escritor – é natural de Blumenau (SC), filho de imigrantes hún­garo e alemã. Ex-jornalista e crí­tico de cinema, au­todidata, se inicia na direção cinematográfica em 1962, tendo realizado e produzido até hoje 38 filmes, dos quais 12 longas-metragens: Lance Maior (1968), A Guerra dos Pe­lados (1971), Ale­luia, Gretchen (1976), Revo­lução de 30 (1980), Repú­blica Gua­rani (1982), Guerra do Bra­sil (1987), Rádio Auriverde (1991), Yndio do Brasil (1995), Cruz e Sousa – O Poeta do Des­terro (1999); Lost Zweig (2003); O Contestado – Restos Mortais (2010) e O Universo Graciliano (2013).
         Publicou 21 livros (poesia, contos, ensaios) e os argu­men­tos/roteiros dos filmes Lance Maior, Aleluia, Gret­chen, Re­pública Guarani, Sete Quedas, Vida e Sangue de Po­laco, O Auto-Retrato de Bakun, Guerra do Brasil, Rá­dio Auriverde, Yndio do Brasil, Zweig: A Morte em Cena, Cruz e Sousa – O Poeta do Desterro (tetralíngue), Lost Zweig (bilíngue) e A Guerra dos Pelados. 
Obra poética: O Ca­derno Eró­tico de Sylvio Back (Tipografia do Fundo de Ouro Preto, MG, 1986); Moedas de Luz (Max Limo­nad, SP, 1988); A Vinha do De­sejo (Geração Editorial, SP, 1994); Yndio do Brasil /Poemas de Filme (No­nada, MG, 1995), bou­doir (7Le­tras, RJ, 1999), Eurus (7Letras, RJ, 2004), Traduzir é poetar às avessas (Langston Hughes traduzido /Memorial da América Latina, SP, 2005), Eurus bilíngue (português-inglês/ Ibis Libris, RJ, 2006); kinopoems (Cronópios Pocket Books, SP, 2006) e As mulheres gozam pelo ouvido (Demônio Negro, SP, 2007).  
          Com 76 láureas nacionais e internacionais, Back é um dos mais premiados cineastas do Brasil. Sua obra poética, em especial os livros de extrato erótico, coleciona vasta fortuna crítica.  Em 2011, recebeu a insígnia de Oficial da Ordem do Rio Branco, concedida pelo Ministério das Relações Exteriores, pelo conjunto de obra como cineasta e roteirista. Em 2012, foi eleito para o PEN Clube, tornando-se o primeiro cineasta brasileiro a integrar o prestigioso organismo internacional.

FRASES SOBRE O AUTOR

Sua poesia erótica é uma coisa singular dentro da poesia brasileira. (...) Você tem o controle total da linguagem para suas libidinagens verbais. (...) Você é um Aretino brasileiro, de nosso tempo.
Affonso Romano de Sant’Anna

(...) que um dos melhores cineastas brasileiros/descobrisse a poesia/numa curva dos anos 80/não era provável/mas era possível que essa poesia fosse/de um raro erótico explícito/mas não era provável que essa poesia fosse boa/era provavelmente possível/embora seja provável/que todo o impossível se possa (...).

Paulo Leminski

Sylvio Back, gostoso neopoeta, neopornô.
Décio Pignatari

São dele [Sylvio Back] alguns dos melhores poemas eróticos de nossa literatura.
Marcelino Freire

Carajooooooooooo, que libro a foder! Quedome comovidíssimo na companhia de chicas que comungaram tal edición e vida.
Xico Sá

O teu "Caderno Erótico" realmente faz o leitor perder os cadernos: é, pela combinação de erotismo, humor, imaginação e senso estético na composição, uma obra surpreendente e que mostra teu talento multifacético.
Moacyr Scliar

És o Bocage moderno, só que com muito mais graça e senso de humor.
Luiz Antonio de Assis Brasil

Admirável esse tipo de poesia que une o lírico ao erótico explícito.  Impressiona que seja belo e tesudo numa mesma frase, num só momento.
Maitê Proença

Acho que a poesia empurece qualquer palavra – desde que ela seja tratada por um poeta! E isso você faz, ó Sylvio Back.
Manoel de Barros