Sunday, November 08, 2015

blind nightingale





blind nightingale





a névoa densa da primavera
agride a memória - apaga-te
lava-te no aroma dos abetos

dói saber do silêncio obtuso
e que calou pela eternidade
o canto do rouxinol da tarde

ele implantou as notas frias
o real e único eternal aviso
- não somos mais nossos –

o amor nos rouba, impune
suga nossa alma até a raiz
devora a carne até o fundo

o amor? nos tira de dentro
coloca outro ser no centro
e o coroa para a eternidade

e quando a névoa chega -
insensata e pétrea - choro
pela morte da beleza, sim

choro pela água nos abetos
que lavou sem piedade
a carne e os ossos da felicidade