Saturday, August 22, 2009

Chá para as borboletas

CHÁ PARA AS BORBOLETAS

.


Janela - espelho meu.
Fragrância de almíscar selvagem
me violenta.

.
Menino com aura violeta.
Jovem com juba desgrenhada.
Velocidade lenta.

.
Garganta do poço este túnel
cinza, onde trafego dias.

.
Penso na infância, sombra
dos eucaliptos, recanto secreto

onde eu servia chá às borboletas.

.


BÁRBARA LIA

fascicle - 2009