Wednesday, August 19, 2009

Choque de Estrelas Grávidas VII

Foto - Diane Arbus
.


uma consciência consolidada reside num salão de banquete escurecido perto do teto de uma mente cujo chão se move como dez mil baratas quando um feixe de luz penetra como todos os pensamentos se unem num instante de harmonia corpo não mais repelente como as baratas contém uma verdade que ninguém nunca fala

.

....Tive uma noite em que tudo me foi revelado.

....Como eu posso falar de novo?

.

hermafrodita em pedaços que só confiou nelenela encontra a sala fervendo em realidade e implora nunca acordar do pesadelo

.

....e estavam todos lá

... cada um deles

....e eles sabiam meu nome

....enquanto eu escapava feito um besouro ao longo das costas de suas cadeiras

.

Lembre-se da luz e acredite na luz

.

Um instante de claridade antes da noite eterna

.

.

.....................não me deixe esquecer

.

..

mínimo fragmento da peça:

Psicose 4.48

Sarah Kane

Tradução Laerte Mello

.


Diane Arbus (Diane Nemerov, 14 de março de 1923, em New York City; d. (suicídio) 26 de Julho de 1971) foi uma fotógrafa americana, célebre por seus retratos.



Sarah Kane (Essex, 3 de Fevereiro de 1971Londres, 20 de Fevereiro de 1999)


Considerada maior dramaturga inglesa do final do século XX.


...

Estas mulheres se tocam, se chocam ao chocarem. Nas peças de Sarah Kane e nos retratos de Diane Arbus vemos o que não buscamos ver, ou aquilo que evitamos, passamos à margem, ignoramos. O real, o grotesco, aquilo que revira as entranhas. Muito cedo Sarah Kane morreu, tal qual Diane, suicidou-se. Após escrever a peça Psicose 4.48. Em Curitiba foi levada aos palcos pelo diretor Marcos Damasceno. Pouco a pouco a obra de Sarah Kane vai sendo desvelada e vai sugando a gente com uma força que tem todo o estranhamento e tudo o que há de visceral em sua obra. Leitura obrigatória na nossa oficina de Dramaturgia. Ainda estou palmilhando estas escarpas. As fotos de Diane, os textos de Sarah Kane. Uma arte sem máscaras, a revelar o quão estranha é a humanidade e extraíndo beleza do instante caótico, da dor, do horror.