Saturday, December 23, 2017

As filhas de Manuela - Bárbara Lia


Fotografia - Paulo Matos





Esboço um sorriso para não demonstrar que uma parede ergueu-se e as dimensões foram varridas naquela tarde. Estou na antiga prisão no Forte Nossa Senhora dos Prazeres, na Ilha do Mel. Estou ouvindo o recado do homem que tombou em batalha. Manuela? Um nome guardado por quase dois séculos. Um recado que apago ao sair do monumento belo e as gaivotas trazem a certeza de que agora são livres todos os homens. Ou, ao menos, devem ser livres. Não há mais navios negreiros nem batalhas. A Fortaleza marca o passado e proclama a era de mares abertos. Ao menos aqui perto. Longe, os piratas seguem a saquear. Somália é um nome que lembra piratas modernos. Aqui tudo está deserto. Nenhum soldado a vigiar os canhões. Uma nuvem imensa passa acima com pressa. Hora de voltar para a pousada e comer aquele peixe maravilhoso com uma salada leve. Sei que hoje vou dormir sonhando com um homem que, antes de tombar para sempre, grava no tempo um recado para quem ama. Hora de lembrar que um tempo onde amor imprimia esta urgência de rastilho de pólvora, explosões, naufrágios, lenços brancos, fragatas despedaçadas, mulheres que esperaram - em vão -pelos seus amantes.

Bárbara Lia
As filhas de Manuela
(Triunfal/2017)
página 141




Monday, December 04, 2017

Literatura de Autoria Feminina



O Grupo de Pesquisa e Extensão Literatura de Autoria Feminina do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, Campus São Paulo – Curso de Licenciatura em Letras, criou um banco de dados preliminar, que disponibiliza uma vasta relação de dissertações de mestrado e teses de doutorado que problematizam a produção literária de mulheres no Brasil.

Sobre Solidão Calcinada e Constelação de Ossos: aqui

Para o banco de dados completo, link abaixo.

Linda iniciativa.