Monday, August 31, 2015

Campanha: Ajude a Editora Dubolsinho a continuar na briga



​Seja parte de um movimento que traz cultura e educação para todos. O nosso país precisa disso.


Link para a campanha da Editora Dubolsinho:

http://www.kickante.com.br/campanhas/ajude-editora-dubolsinho-continuar-na-briga-0

Saturday, August 29, 2015

somos o zero à deriva

   fotografia - El Pais

o zero à deriva


depois de milênios filósofos tratados poetas lutas depois das sondas dos voos de perfurar a galáxia os anéis dos planetas o entardecer azul em marte depois de sondar abismos explorar a veia do mar da terra das flores entre tantos mantras religiões sacrifícios sangue lágrimas depois de revirar tudo sacudir o planeta desmontar vulcões depois de conhecer segredos e lendas armazenar a bomba explodir a bomba chorar a explosão da bomba depois de toda palavra de toda tentativa somos o zero à deriva somos cada corpo no mar da líbia somos a perdição sem volta fracassada humanidade torta e nada que possa fazer valer milênios poesia filosofia se estivermos a morrer na areia vomitados pelo mar sem nada que faça crer que este sol e este dia lindo é por mim merecido considerando que está tudo perdido morto e ressequido humanidade naufragada em cada corpo vomitado Bárbara Lia​

Friday, August 28, 2015

Antologia Jornal RelevO 5 Anos


O editor Daniel Zanella e equipe do Jornal RelevO selecionou poema e contos e traduções entre as oitenta edições do Jornal e isto resultou em uma bela Antologia. Meu poema que dialoga com Alfonsina Storni, da série - O céu dos poetas - integra este livro que traz uma mostra da poesia paranaense atual, e que tem uma qualidade rara. O livro custa R$.30,00  e o contato do Jornal Relevo é:

https://www.facebook.com/jornal.relevo?fref=ts

Wednesday, August 26, 2015

Diante de um ensaio de Dino Prediali






Pau de Pasolini
Assim imagino o teu
Diante do ensaio
De Dino Prediali

Nudez nunca vista
Da pessoa que entra em mim
De outras maneiras

Ainda não com este imaginado
Pau italiano Pasolini plasmado
Nas horas lerdas de pensar em ti

E para validar meu pensamento
Pasolini sopra meus cabelos
E acerta meu queixo em pose de cinema
Destas mulheres eternizadas
E diz: Creia, podes ser – dele – a amada!

Bárbara Lia

If in this world there's you...





The world cannot be wrong
If in this world there’s you
(Charlie Chaplin)




Lavar a ilusão da vidraça para ver o real - é mais bonito 
Quebrar o salto que te pisa e estilhaça teu pé descalço
Serrar as gaiolas e dar aos pássaros o mapa desta rua
Só eles carregam a fúria livre que senti em teu abraço
Bárbara Lia

Sunday, August 23, 2015

Trilha sonora para os sessenta anos que completo amanhã. Trilha sonora pra lembrar duas pessoas que eu amo e não poderei abraçar de forma material. Pra vocês dois: pai e mãe, só pra dizer que sigo - tocando em frente. Grata pela vida. Ainda que me protegessem como se eu fosse flor de estufa, no fundo, no fundo eu sei que vocês sabiam que eu era como todos os poetas, tal e qual Cruz e Sousa escreveu 
"Tu és o louco da imortal loucura;
O louco da loucura mais suprema."
A gente sempre sabe... Agora, vou começar a abraçar os que estão na minha vida como a - possibillidade de esticar um tempo mais esta jornada alucinante - e ao abraçar um a um, amigos de ontem, amigos de agora, amigos de toda hora, filhos, neto - não posso esquecer meus amigos de data de nascimento, pois poetas e escritores, ainda que nunca tenham se encontrado pela vida, são amigos em um patamar de beleza. São irmãos atados pelo sangue da palavra. São os que se apoiam em recados pendurados pela vida... É isto. Este estranhamento de não ter mais como dizer parabéns ao Donizete Galvão... Ainda assim: Feliz aniversário! Onde quer que estejas, a vocês, a todos nós... E a poesia segue...
Agora eu vou começar a abraçar os que amo...


Felizes os felizes.

Jorge Luis Borges



isso de querer
ser exatamente aquilo
que a gente é
ainda vai 
nos levar além

Paulo Leminski


"Fique atento
às raízes
que se trançam
em seu coração.
Fique atento.
A atenção
é sua forma natural 
de oração"

Donizete Galvão

Thursday, August 13, 2015











Prosa e Poesia em três tempos:


Resumo da ópera: meus livros no - mercado - sempre sou muito criticada por não fazer o bendito marketing, sim, eu sou uma péssima vendedora... Quem dera ter quem fizesse por mim. Mas, cá está o resumo dos livros que ainda estão à venda, em livrarias e editoras, com a própria autora (euzinha)... Dos livros de poesia (sete livros até aqui), três podem ser adquiridos. Não sei quantos exemplares a Lumme ainda tem de - O sal das rosas. Com alguns editores nosso direito autoral é pago em livros, a Lumme e Vidráguas já pagaram meus direitos, resta agora a venda diretamente com eles. Estes livros (O sal das rosas e constelação de ossos) estão na Livraria Cultura. Os demais livros de Poesia são os mais recentes - A flor dentro da árvore que posso imprimir sob demanda, e Respirar, que coloquei à venda na Joaquim Livraria e sebo. Ainda, na estante virtual, três exemplares do meu primeiro romance Solidão Calcinada. E o livro de contos - Paraísos de Pedra - diretamente no site Penalux. 
É isto. Meus livros sempre com pequenas tiragens, por enquanto. E sei que breve esgotará toda esta lista... Mas, outros livros virão. Viva! A Poesia não para, e a prosa segue com seu ritmo mais calmo, mas, com a mesma força e garra de sempre...



Prosa:

Romance "Solidão Calcinada" - Imprensa Oficial do Paraná SEEC - 2008; Finalista do Prêmio SESC 2005. - Apenas na estante virtual, últimos exemplares...
Romance "Constelação de Ossos" - Vidráguas 2010 - no site da Livraria Cultura e diretamente com a editora Vidráguas - Porto Alegre.
Contos - Paraíso de Pedras - Penalux 2013 - no site da editora Penalux.

***


Poesia em livro convencional:
O sal das rosas - Lumme 2007 - Livrarias Cultural, ou diretamente com a Lumme editor. 64 páginas. Poemas escritos entre 2002-2006.
*
A flor dentro da árvore - edição independente - 2011, prefácio do poeta Sidnei Schneider. Poemas da minha fase de leitura de Emily Dickinson (2009-2011). 40 páginas.
*
Respirar - 2014, editei para comemorar dez anos da minha primeira publicação. O livro tem 124 páginas. Inicia com alguns poemas do primeiro livro (O sorriso de Leonardo). Capa: "MInaretes & Para-raios" (aquarela de André Lissonger) - ISBN - 978-85-906912-3-5 - R$.30,00 - venda a cargo de Joaquim Sebo e Livraria - em Curitiba, mas atende todo o Brasil no e-mail info@joaquimlivraria.com.br



***


Poesia em livro artesanal:
Há algum tempo separei poemas em trilogias - e ainda tenho quatro trilogias. Por ser - 21 gramas - o nome do meu projeto de livros artesanais, quem desejar uma das trilogias, o valor é 21,00 - + despesas correios...
Tenho apenas uma trilogia da série - rosas em ruínas - poemas de amor, os livros são: Femme!, Histórias de amor duram o tempo da neve em Curitiba e Percurso amoroso de uma vândala.
a outra trilogia - al andalus - traz desenhos de Garcia Lorca na capa e vários temas, poemas de dor, poemas que dialogam com o cinema e poemas de amor, em As hora incertas, Jardim Nonsense e O sal da primeira onda...



---

** Quem desejar "A flor dentro da árvore" e os artesanais, contato no meu e-mail barbaralia@gmail. com -  com direito a um exemplar artesanal de alguns títulos de 2010 que ainda tenho ** 

Saturday, August 08, 2015

Dramaturgia Contemporânea Brasileira: Escrever, Ler, Assistir. (com Marcelo Bourcheid)


Rosa CHá + Azul Anil no Sound Cloud





++Era pra ser um CD, uma ideia que arquivei e encontro agora esta gravação na voz da Luciana Cañete... Este poema integra a Antologia "O Melhor da Festa 3" Festipoa. ++

Clique no link abaixo do poema para ouvir a gravação...



ROSA CHÁ AZUL ANIL
.
Alma rosa chá.
Vestida de rosa chá.
Na casa rosa areia.
Leva - enquanto passeia -
um oceano de espantos
nas mãos:
Cinzas de rosas
no ar do quarto do avô
morto.
Mistério ácido na boca
- sabor do fruto vítreo -
de figueira desconhecida.
Açúcar cristal brilha
- mínimas estrelas -
nas mãos.
Céu rosáceo de Dali
desce ao chão
e incendeia
o futuro lilás:
rosa chá + azul anil
Linhas do destino
emaranhadas
- já no ventre
de nossas mães.
E apenas agora
o homem sagrado
envolto em acordes
de estrelas no cio.
- meu azul demorado!
BÁRBARA LIA

https://soundcloud.com/b-rbara-lia/rosa-cha-azul-anil

Thursday, August 06, 2015

Pássaros Ruins

Adriano Esturilho, Bárbara Lia e Giuliano Andreso




Adriano Esturilho, Priscila Merizzio e Giuliano Andreso


Imagens acima da gravação para o vídeo Pássaros Ruins, meu poema gravado foi - Insônia.




Saturday, August 01, 2015

Viva Pipol!





A Revista Capitu, que Gil cantou em uma canção, foi a primeira a publicar um poema meu. Os editores eram Edson e Carlos Pessoa Rosa, eu uma poeta desconhecida. Achei aquilo incrível. E quando Edson Cruz se uniu ao Pipol para criar aquele que seria o Site Literário Cronópios, automaticamente virei cronopiana. Sei que devo, imensamente, a divulgação da minha Poesia à nível nacional ao Cronópios. Nos anos que seguiram, muitos poemas e textos. Conheci Pipol no evento - A cidade aTravessa, Casa das Rosas, em 2010 quando fui lançar Constelação de Ossos. Em 2012 ele visitou Curitiba na véspera do meu embarque para Poa onde lançaria - A flor dentro da árvore. Foi a tarde que passamos visitando a exposição Leminski, conversando em um café, gravando um bate papo. Querido e sempre animado, ficou esta memória de partilhar a Arte e a Poesia. Ainda não sei se editarão a Antologia em homenagem a Éder Jofre, e foi a razão das nossas últimas trocas, sempre embaladas pelo entusiasmo do Pipol. O que sei neste inverno único, é que - inédita - é a vida. Só ela escreve enredos inacreditáveis. Nós somos a sombra de um dramaturgo genial, mas, se existe um deus, ele tem esta vantagem que não temos, de TUDO VER, TUDO SABER... Quem dera eu pudesse emprestar por sessenta segundos os olhos de Deus...
Na verdade, eu só queria contar que aquele novo Cronópios que o Pipol trabalhou tanto pra construir ficou pronto. Ele não está aqui para ver, mas, ele está, no legado, na memória, e trafegar pela página deixa aquela sensação de que ele - realmente - não morreu. Lá estão meus textos de antes, a possibilidade de seguir a publicar a Poesia, e a memória daqueles acenos no pátio do Museu Oscar Niemeyer... A gente não sabe mesmo quando é a última vez que vai poder sorrir para alguém em uma última despedida neste mundo. RIP Pipol, o Cronópios segue, a Poesia segue...