Wednesday, August 31, 2016

"quarta-feira de cinzas no país"



dilmar
arrancar da pedra
a flor da beleza
aferrar-se ao sonho
a utópica vida


neste tempo rude
se faz necessário
dilmar
enfrentar as feras
olhos nos olhos
(e até brincar)
enquanto a faca fria
entra na jugular


entre rústicos invernos
da pátria mais bela
(ainda que sempre triste
ainda que tardia
sempre caindo em mãos frias)
evocaremos tua força rara
galhardia em poesia
e saberemos sempre
mais que antes e sempre
lutar,
digo,
dilmar


Bárbara Lia

Monday, August 29, 2016

Quando entrar setembro...




 Lançamento da 2a. Temporada da websérie Pássaros Ruins
Data: 11/09/2016 - Domingo
Local: Cinemateca de Curitiba
Horário: 19h
Endereço: Rua Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1174 - São Francisco

PÁSSAROS RUINS é uma realização da Processo Multiartes e Casazul Produças. A segunda temporada é realizada através da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, com incentivo do Positivo. - Participo da Websérie Pássaros Ruins com o poema Insônia do meu livro Respirar


-------------------

Em Campo Mourão

Uma alegria ter meus romances neste Minicurso, por ser na cidade onde vivi parte da juventude:

Estão abertas até o dia 09 de Setembro de 2016, as inscrições para o Minicurso "LITERATURA E FEMINISMO NA PÓS-MODERNIDADE". 

O objetivo é Promover reflexão e conscientização a respeito do movimento feminista no Brasil e da literatura de autoria feminina, com a intenção de identificar momentos representativos deste diálogo, a inserção da perspectiva feminista na prática literária de escritoras brasileiras e a representação de perfis femininos em obras literárias no contexto da Pós-modernidade.
Para tanto, a partir da Crítica feminista, alunas do Curso Técnico Integrado em Informática trabalharão com obras de escritoras, como Adriana Lisboa, Márcia Denser, Clarah Averbuck, Bárbara Lia, Martha Medeiros, Simone Campos, Elvira Vigna e Lya Luft.
Datas do Curso: 10/09/2016 e 17/09/2016
horário: 08h As 12h
Numero de Vagas: 40
Público Alvo: Comunidade acadêmica em geral.

Local para Inscrições: DIREC-CM das 08h as 21h.


_______________





Festival [eu sou poeta]
24 e 25 de setembro, no espaço do Solar do Barão, no Centro, em Curitiba (PR)
Participo da mesa abaixo e do sarau no encerramento
Poetas dos anos 90
Dia 24 de setembro, domingo, às 14h
Local: Solar do Barão
Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 533, Centro, Curitiba (PR)

-breve publico a programação completa do [eu sou poeta]

Sunday, August 28, 2016

soundcloud - poesia luzes de marfim


Image result for soundcloud



Lembro que os poetas Caio Carmacho e Rogério Santos incluíram alguns poemas meus em seus programas de rádio online. Rogério Santos enviou uma gravação do meu poema - luzes de marfim - na voz de sua filha Marília, que à época tinha nove anos.

Coloquei nesta plataforma onde músicos e artistas divulgam suas canções e poemas

link para o poema:

Thursday, August 25, 2016

Pássaros ruins

Nesta nova edição da web série - pássaros ruins - meu poema "Insônia" - o vídeo foi gravado no passeio público.


Pássaros Ruins - 11/09 - Cinemateca




Serviço: Lançamento da 2a. Temporada da websérie Pássaros Ruins

Data: 11/09/2016 - Domingo
Local: Cinemateca de Curitiba
Horário: 19h
Endereço: Rua Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1174 - São Francisco

PÁSSAROS RUINS é uma realização da Processo Multiartes e Casazul Produças. A segunda temporada é realizada através da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, com incentivo do Positivo.


Com curadoria do poeta Ricardo Pozzo, agora em 2016 a websérie “Pássaros Ruins”, ganha uma segunda temporada sob olhar do diretor e escritor Adriano Esturilho e terá lançamento na Cinemateca de Curitiba em setembro. 

Na primeira temporada, passaram pelo projeto alguns de nossos grandes poetas Curitibanos na ativa, como Ivan Justen, Rodrigo Madeira, Andreia Gavita, Thadeu Wojciechowski e Adriano Smaniotto. A segunda temporada contará com nomes como Luci Colin, Bárbara Lia, Guilherme Gontijo e Mario Domingues. A ideia é mesclar poetas já conhecidos com novos nomes e também resgatar algumas figuras que merecem maior reconhecimento. Em cada vídeo, temos um poeta atuante na cena local que recita ou lê um de seus poemas, tendo como pano de fundo um ponto da cidade. 


Após o lançamento os episódios serão disponibilizados semanalmente na internet convidando o público local das redes sociais a criar o hábito de acompanhar um pouco da nossa poesia dentro da correria do seu dia-a-dia. Os vídeos – sempre curtos – podem funcionar como um breve respiro no cotidiano de trabalho ou estudo de cada um. 

“A linguagem do vídeo em conjunto com a leitura dos poemas – instigante e ao mesmo tempo comunicativa – pode ser uma porta de entrada para novos públicos. A intenção é promover e mostrar a cara dos nossos poetas e quebrar com a ideia de que a poesia só atinge a um público já previamente interessado”, comenta o diretor Adriano Esturilho.

No lançamento na cinemateca, que terá ENTRADA FRANCA, serão exibidos todos os episódios da temporada e será realizado um breve bate-papo com alguns dos poetas participantes. Publicações dos poetas também estarão em exposição e à venda.


FICHA TÉCNICA
Direção: Adriano Esturilho 
Curadoria: Ricardo Pozzo 
Produção: Samara Bark
Montagem e Fotografia: Giuliano Andreso 
Assistência de fotografia: Lucas Kosisnki
Captação de Áudio: Lucas Mafini
Edição do áudio: João Caserta
Poetas participantes: Bárbara Lia, Edra Moraes, Fernando Koproski, Guilherme Gontijo, Luci Colin, Mário Domingues, Maurício Cardoso, Priscila Merizio, Rodrigo Garcia Lopes, Rodolfo Jaruga.






Tuesday, August 23, 2016

Bistrô de la poésie: algumas imagens

Stella de Resende e seu marido Cláudio, eu, Jane Bodnar e seu marido Samuel Oliveira, Jandira
Zanchi, Fabiana Lucca e Bruno Marafigo.


Bárbara Lia


Stella de Resende - irmã do poeta homenageado - ao meu lado na abertura do recital


                                          Jane Bodnar

                                                                       Jandira Zanchi


Bruno Marafigo

                                                                    Samuel Oliveira


Regina  Bustolin

                                                                           Julia Raiz


                                                       

                                                                           Stella de Resende


Sr. Resende, pai do poeta Reginaldo Rollo Possetti de Resende

Paulo Roberto Pereira Vallin


algumas imagens da noite poética - homenagem a Rollo de Resende.
as fotos são de Karoline Schast

grata à curadora do evento - Bistrô de la poésie - Jandira Zanchi, pelo convite e à Fabiana Lucca, por ceder o espaço para estas noites poéticas... os poetas compareceram, velhos parceiros do Rollo de Resende, na vida e na poesia, e jovens poetas que se encantaram com seus versos... 

Na atmosfera linda da homenagem, doces e uma pequena celebração (dia 24 é meu aniversário).
Quem foi pode provar meus beijinhos e os bombons que a Jandira Zanchi fez, todo mundo aprovou. Poetas prendadas  
O bom dos encontros poéticos é que as parcerias vão surgindo, as próximas etapas, a Arte. 
Ontem quase li um conto no palco, embalada pela presença do Bruno Marafigo que leu sua prosa, mas, no final foi só a poesia, no palco, no bistrô e até na chuva. Grata aos poetas que compareceram, à platéia que aguardou para ligar a TV só no final da final olímpica, depois de toda poesia...
O presente mais insólito - que eu amei ganhar - Stella trouxe rapadurinha - que o Rollo amava - e eu lembrei que meu pai também amava. Grata por estes mimos. O livro do poeta Claudinei Vieira (Yūrei, Caberê) da coleção patuscada, presente da Jandira Zanchi.

Dada largada para os meus 61 anos...
Muito linda a fala da Jane Bodnar ontem, o testemunho das pessoas que conviveram com ele a lembrar os detalhes poéticos, um poema inédito que Rollo dedicou à enfermeira que cuidou dele no final da vida, lembrar que ele fazia pão... E minha torcida silenciosa para que ela reedite o belo projeto - homeopoética.

Thursday, August 18, 2016

isto não é um poema de amor...

   
      imagem: wikipédia


é tão patético que chega a ser triste
é tão cínico que chega a ser trágico
é tão pequeno que não merece nada
nem um olhar de dois segundos e
nunca desperdiçar o ar da vida 
- neurônios, lágrimas ou paz -
é pobre da pobreza que não traz luz

descartar! tem um poema acenando ali
na janela clara, na vida rara, na maresia
tem um mundo mar de cádiz... yo me voy
adiós!

Bárbara Lia


Thursday, August 11, 2016

Imantado - Rollo de Resende





Poemas do Rollo de Resende no site Mallarmargens:


http://www.mallarmargens.com/2016/08/imantado-rollo-de-resende.html

Rollo será homenageado no Bistrô de la poésie no dia 20 de agosto. Estão todos convidados.




Tuesday, August 02, 2016



Liquefaz o sangue do sol
Em mil luzes de orvalho
Ameniza! Estica o tempo
Feito orgasmo de rainha



imagem: penelope cruz

Monday, August 01, 2016

Começar com flores o mês do meu niver...

fotografia - Isabel Furini



Algumas Poesias no site - Revista Carlos Zemek - Arte e Cultura, Jardins e Flores. Poemas sobre flores, fotografias de Isabel Furini. Agosto de levezas, que assim seja...

O link para ler os poemas:
http://revistacazemek.blogspot.com.br/2016/08/barbara-lia-jardins-e-flores.html

Thursday, July 28, 2016

meus dias com Clarice


Sempre quis abraçar um projeto com prazo e impor uma disciplina. Sigo sempre no limite das asas, e hoje pensei em algo: ler os contos de Clarice - um ao dia - e escrever uma impressão, um poema, uma frase, um ensaio se preciso for... dada a largada... que seja voo, que seja lúdico, que seja intenso como ela, que seja um rito, e tenho dito...

Friday, July 22, 2016

a flor dentro da árvore

foto by Kátia Torres Negrisoli




“Remando no Éden”

Um olho de Emily
É Deus
O outro é Fera
Um olho é Eva
O outro é Lilith
No branco rosto
Lábio granito
Do branco vestido
Vaza uma luz que emana
E entontece
Nada a fazer
Depois de remar no céu
Nada mais a fazer
Quando se bebeu
Versos estrelas
- Auroras gestadas
Carta de voo de pássaros
Palavras de arcanjos
O ocaso em uma copa
O silêncio do oceano laminado

O tosco me agride
Tudo o que é rude
Um passo atrás
A cada farpa
A cada sílaba Bárbara
Sibila frase agulha fina
- Avesso de Sibila –
Sífilis purulenta
Na pele da poesia
– Letargia –
Um passo atrás
Um véu
Dois véus

Uma estrada
Um muro
Um jardim
Uma porta
Pétrea e escura
Uma cama
Uma escrivaninha
Um quarto branco
Arco íris na retina
Uma luz difusa
Uma musa?
Emily...
Ninguém mais.

Bárbara Lia

Wednesday, July 20, 2016

A complicada beleza - Fernando Koproski

by Daniel Castellano


Dias propícios para ler um livro. Como na canção: um dia frio /  um bom lugar pra ler um livro. E melhor ainda: três livros. A trilogia do poeta e escritor Fernando Koproski: A complicada beleza. Belas dedicatórias, como esta:

para minha amiga e grande poeta Bárbara as aventuras em versos desse jardineiro incurável
com carinho

As capas são obra de arte, fotografias de Daniel Castellano. A ousadia lírica do Fernando, escrever um romance em versos. Já pensei nisto e nunca iniciei esta louca empreitada... Já estou caminhando ao lado de Narciso no primeiro livro da trilogia. Feliz por ter amigos cujas vidas pulsam no mesmo ritmo poético. Somos o que somos, como ele escreveu, jardineiros incuráveis. A flor da palavra, o jardim da beleza, a complicada beleza.

A trilogia é composta por:

- Narciso para matar
- Crônica de um amor morto
- A teoria do romance na prática
(7 Letras)
sobre a trilogia, no paraná online:

para adquirir os livros:

Thursday, July 14, 2016

R.I.P. Babenco





5 Dias para morrer
para Hector Babenco


morreremos loucos, Ana
os sapatos
novos
em cima da mala
— mala notte
o dia, a pior
foto: olhos úmidos
no vídeo
flashbacks:
a virilha imunda
do marinheiro
os eletrodos frios
nas têmporas
as pílulas coloridas
peixes
num aquário
cujo vidro
quase se quebra
toda vez
que o tocamos
sim, Ana
morreremos loucos
mas
esta noite
dormiremos
juntos

Ademir Assunção




“Doce como o massacre de sóis”
(Emily Dickinson)


Oito canhões na praça de guerra
Apontam para o peixe
Que traz a paz nas guelras
Quatro gaivotas suicidas
Lambem o babado azulado
Do triste mar-flamenco
Lembro um filme de Babenco:
Ana e o vôo
Mariposas no quarto lúgubre
Suas mãos em concha
A esmagar a eternidade insalubre
Bárbara Lia
do livro - A flor dentro da árvore


Mínima homenagem ao diretor de cinema argentino que faleceu ontem.
Héctor Eduardo Babenco (Mar del Plata, 7 de fevereiro de 1946 - São Paulo, 13 de julho de 2016)
Gosto imensamente deste poema do Ademir Assunção, em dois momento o poema dele e o meu dialogam com a personagem Ana do filme - Coração Iluminado. Gracias Babenco, Descanse em paz.

Monday, July 11, 2016

Todas as tardes de maio serão tuas




nomear este estio virulento, esta esterilidade abrupta
vai ser sempre estranho como naquelas gravuras
onde uma silhueta vazada permeia a cena
estarás sempre ali como um presságio
ou o tudo que eu não via que eu não vi
e chorar isto vai ser jogar de novo o tempo pelo ralo
então eu calo então eu calo o tempo do estio bravio
os anos sáfaros em que estavas em mim
e - ao mesmo tempo - 
ausente na superfície das coisas pétreas


Bárbara Lia

Tuesday, July 05, 2016

As minhas mulheres...



Elas vieram a mim em bandos, primeiro a família Piccoli: Pietra, Esperança, Serena e Bárbara. Vieram para falar da Solidão Calcinada que as mulheres enfrentam quando dizem sim ao anjo da liberdade. Foi dolorido. Era a catarse minha. Queria expurgar minha culpa daquela crença da infância, eu não era culpada, mas me sentia assim. Eu me sentia culpada por acreditar, na adolescência, que os rebeldes dos anos sessenta eram terroristas. Foi a minha penitência. Eu sempre quis publicar meu primeiro romance com este tema, e consegui. No outro livro eram apenas duas: a garota que cantava em um bar e a poeta que foi viver meio à natureza. Elas eram noturnas, a deusa da noite (Nyx) e constelação mais apagada do céu (Lynx). Constelação de Ossos o filtro da minha alma, eu estava me sentindo marginalizada, me sentindo qual a garota à qual só sobra a rua, um palco, e a amiga/poesia. Depois, em um rompante louco, terminei de cerzir o que pode até mesmo ser o meu primeiro livro publicável, pois recordo que a ideia surgiu antes dos dois que foram lançados. As Filhas de Manuela é uma saga que traz como metáfora a maldição nossa de cada dia: o ser mulher, levar pela vida esta sombra sangrada. Em um rompante sem nexo elas seguem por quase dois séculos arrastando isto que incomoda, a força de ser quem pulsa vida, e não se dobra. As Filhas de Manuel tem oito livros encadeados, em uma espécie de epopeia, onde cada fala apresenta um ciclo de perdas e redenções. É isto. Até aqui encontrei duas dissertações dos meus romances já editados, e eles falam da Literatura escrita por mulheres, e a leitura é sempre a da certeza de que em minhas cenas só há espaço para - elas. As que chegam fortes, as que lutam por cada grão de liberdade. Já não é o modelo patriarcal, já não é mais a feminista que luta por ocupar o lugar, é alguém que ocupa e ponto final. Coloca-se ao lado. Digo tudo isto sobre estas mulheres dos romances que escrevi, pois hoje eu vi um corpo, envolto no sangue placentário, era forte, era alvo e pulsava. Há uma única personagem, pela primeira vez. Ela está a sós, e tive medo dela. Ela acabou de nascer e eu a temo. Quando veio a mim pelo sopro da criação, era menina ainda, é menina, só a vejo ali, uniforme escolar, primeira menstruação, um amor platônico pelo professor. Ela se apresenta e eu sei que agora eu vou desaparecer, segurando sua mão úmida ainda do sangue dos nascituros, e vamos adentrar o desconhecido... Ela exige que eu construa uma cidade, quase como em Dogville, e ela chega como em Dogville com assustados olhos azuis, e ela chega com enigmas. O que ela não sabe é que já sei a última cena, e entre a primeira e a última cena de uma vida bem longe do banal, décadas e quiçá um encontro, destes que nadie explica, uma espécie de mistério que cada um vive uma vez na vida. Talvez ela já seja a minha personagem preferida...

imagem: Nicole Kidman em Dogville

Monday, June 27, 2016

para Ana C.








...ausência frequentada sem mistério
céu que recua
sem pergunta

Ana Cristina Cesar



Subir a London Road de bicicleta
Tempo de cartões postais e promessas
Em cada canto do mundo um avião pousa - A teus pés
Como quem se move em um oceano de folhagens
O momento fel acena - céu que recua sem pergunta _
Anula o tratado de delicadeza
Ignora belas meninas nas estações vazias
Uma mala nas mãos e por companhia
Assombro e luvas de pelica



Bárbara Lia
in Respirar ( 2014)

Wednesday, June 22, 2016

Stellan Skarsgård - River



River, inspetor de polícia interpretado por Stellan Skarsgård é alguém que transita em um mundo onde ele não separa os vivos dos mortos. Isto faz dele aquele cara que chama a atenção. Por ser aquele cara que resolve a maioria dos casos, é sempre protegido pela sua chefe. A série começa quando sua parceira Steve morre assassinada. River se abala pelo amor que ele sente por ela. Desvendar o mistério da morte de Steve envolve todos os capítulos da série, e te leva pela mão por um enredo denso, dolorido, pleno de reviravoltas. River não quer ajuda psiquiátrica, ele crê que não vê fantasmas, ele chama de manifestações. 
Algum dia poderei dizer do fulminante impacto que a força deste ator trouxe para minha vida... Algumas vezes um poema, uma canção, um filme,  uma obra de Arte cai diante dos teus olhos para tocar o ponto crucial e trazer respostas... Acho que Stellan Skarsgård deve ter sido este canal de impacto em muitas pessoas pela vida, e penso que ele sabe.
A série está no Netflix: River.
Imperdível.

Sinopse: John River é um  brilhante inspetor de polícia  cuja genialidade está lado a lado com a fragilidade de sua mente. Ele é um homem assombrado pelas vítimas de assassinato cujos casos ele deve desvendar
Com Stellan Skarsgård, Nicola Walker, Lesley Manville...














Stellan Skarsgård

20 de junho

Entrei em estado de Stellan, apaixonada por ele, sim eu me apaixono com a perfeita fusão arte + artista. Fui atrás dos filmes deste deus viking: Stellan Skarsgård. É uma pena que muitos filmes são noruegueses e sem legenda, o que impossibilita. Ainda assim, fica a gratidão por dar de cara com a série River e ver, finalmente, Breaking the Waves. Stellan está em muitos filmes de Lars Von Trier, em todos que vi, por sinal... E acaba de ser eleito o ator mais amado por mim.





21 de junho:

Sigo em "estado de Stellan" e tento ver ao menos um filme dele ao dia, hoje encontrei um filme que é belo, mas com legenda em inglês e um russo falando e obliterando a fala original, todos os personagens sem a emoção do texto e só isto, quem sabe eu consiga ver até o fim...
...
Zero Kelvin - Sem limites: Na década de 20, três homens contratados como caçadores de focas tem que passar um ano de solidão no frio da Groelândia. Um deles é um jovem aspirante a poeta que vivia em Oslo, na capital norueguesa, e que decide largar a namorada para enfrentar a neve. Lá chegando, ele conhece os outros dois homens: um bruto mal-humorado e um cientista caladão. As personalidades distoantes dos três os levam a conflitos dentro de um casebre no gelo, que acabarão por deixar quando o cientista faz uma intervenção decisiva na situação.