Wednesday, December 15, 2010

Nilto Maciel sobre "Constelação de Ossos" e "A última chuva"

http://literaturasemfronteiras.blogspot.com/ - Neste Blog o contista Nilto Maciel teceu algumas palavras sobre os livros que enviei. Para ler sobre a Antologia Vertentes e obra de mais três autores, entre eles meu amigo Cláudio B. Carlos, é só acessar o link acima - onde ele em rápidas pinceladas fala sobre as obras dos poetas e prosadores.



I – De Bárbara Lia são Constelação de ossos (Porto Alegre, RS, Vidráguas, 2010) e A última chuva (Belo Horizonte, MG, Mulheres Emergentes Edições Alternativas, 2007). O primeiro está catalogado como novela. Na “apresentação” (sem nome de autor) está escrito: “Estrutura ficcional elaborada, em que os capítulos se sucedem em corrente límpida, revelando com simplicidade e magia a história de vida da personagem, desdobrando-se em uma continuidade fluida provocadora de uma leitura ávida e prazerosa. Prosa poética plena de sonoridades e metáforas ora líricas e encantadoras, ora duras e valorosas”. Epígrafe extraída de Clarice Lispector. Todos os capítulos, muito poéticos, têm títulos. O primeiro é “O anjo d’água”, que assim começa: “Sonhei com o anjo d’água. Desde a infância ele não vinha a mim”. É a voz de Lynx, a narradora, “cantora de bar e garota de programa”. A narrativa escoa lentamente, com reminiscências de um passado mais distante e do mais recente. São muitos os personagens rememorados: Nyx, Heleno, Layla, Adamastor, Amâncio, João Só, Raul, Igor e tantos outros. Vidas passadas a limpo. A protagonista é muito inteligente, sabe escrever, é “cult”, leitora de clássicos, apreciadora de cinema e outras artes. Conhece Camões, Freud, Vivaldi, Van Gogh, Machado de Assis, Clarice Lispector, Florbela Espanca, Hilda Hilst, Fernando Pessoa, Emily Dickinson, Sylvia Plath (encerra o livro com versos da poetisa), o filme “Memórias de uma gueixa”, Camille Claudel, Edith Piaf, etc.




II – O outro livro é menos denso (falo de número de páginas). São poemas de variadas feições ou formatos: breves, mais longos, versos curtos, versos compridos. Poesia feita de poesia e outras invenções: Desdêmona (mitologia), Nietzsche (filosofia), o bailarino Nijinski, a literatura de Clarice. Tudo com muita essência.






Nota:- Sobre a apresentação do meu livro - Constelação de Ossos - pelo que fui informada - o texto é de Berenice Sica Lamas - poeta do Rio Grande do Sul, que escreveu a apresentação a pedido da Editora Vidráguas. Na Ficha Catalográfica Berenice está no item - Colaboração Editorial.