Friday, May 29, 2015

CICATRIZ

(Aos presentes em carne e alma, no ataque perpetrado
pelo Governo do Paraná na Praça Nossa Senhora de Salete.
Curitiba, abril de 2015)


O cinegrafista debandou
Ficou o microfone atirado
Em uma sacada qualquer
- O som da fúria -
Apenas o som do horror
E as cores da bandeira:
Nuvens brancas
Verdes árvores
Céu anil de outono
E ela, sim, ela... A Araucária
Que a câmera – estática – grava
Violada em sua essência - Paranaense -
Eu vi uma Araucária encolher-se
Diante das ordens de um carrasco
No Abril massacrado
Enquanto tantos foram humilhados
Atingidos, perseguidos, sangrados
Daqui cem anos, ou mais,
Quando tudo passar e virar História
Haverá uma imperdoável cicatriz
No coração da Araucária