Thursday, October 28, 2010

Solidão Calcinada




Moema Carneiro Solheid e Tatiana Alves alunas da Oficina de Jornalismo Cultural e Crítica Literária, na FCC, ministrada pelo Prof. Otto Winck, apresentaram dentro do projeto da Oficina o meu livro - Solidão Calcinada. Otto Leopoldo Winck foi vencedor do Prêmio da Academia de Letras da Bahia - Braskem - de 2005, com o romance Jaboc. A apresentação de Solidão Calcinada foi seguida de uma conversa descontraída. A escrita é mistério e a poesia é um mistério maior. Para mim foi um momento bonito. Espero que para os que lá estavam também. Os rumos de Solidão Calcinada pedem uma segunda edição. Considero que a publicação da SEEC foi o sopro primeiro para que minha prosa figurasse em páginas e voasse da minha gaveta de guardados. Um pouco arcaica esta expressão. Hoje em dia nossos inéditos estão em arquivos word ou pendrives.
O tempo me dá a certeza que minha poesia está atrelada à prosa. Escrever em prosa poética os enredos, histórias que nascem, personagens que ganham vida. Frei Betto disse que a saga de Pietra, Esperança, Serena e Bárbara é PROESIA.
Constelação de Ossos é PROESIA.
Atendi ao pedido delas para ir pessoalmente na noite do meu livro e conheci pessoas muito especiais e revi o Otto que está fazendo este belo trabalho. Foi muito bom ter dito SIM.
E, não. Meus romances não contam a minha história.
Minha Biografia devo escrever antes que - novamente - a pressão arterial vá parar na estratosfera. Antes que eu morra de tédio ou de felicidade. Penso que está na hora de contar a minha história. Ser personagem do meu enredo. Sim. Devo fazer isto para provar que sou sublime, como disse Fernando Pessoa.
Enquanto isto cada qual tece sua própria imagem da mulher e da poeta. E a vida sangra incompreensões arquivadas e alegrias novas.
Como o amanhã que vai nascer breve. Como encontros feito aquele de ontem falando do livro e de poesia. A canção emprestei do meu neto Arthur, tem apenas nove meses e já gosta do Renato Russo. Ele começou a dançar no meu colo quando a TV apresentou um comercial.
É certo que o sol chegou com o menino - meu neto que ama música e tem nome de poeta.



MAIS UMA VEZ - RENATO RUSSO


Mas é claro que o sol vai voltar amanhã
Mais uma vez eu sei
Escuridão já vi pior de endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem.

Tem gente que está do mesmo lado que você
Mas deveria estar do lado de lá
Tem gente que machuca os outros
Tem gente que não sabe amar
Tem gente enganando a gente
Veja a nossa vida como está
Mas eu sei que um dia a gente aprende
Se você quiser alguém em quem confiar
Confie em si mesmo

Quem acredita sempre alcança!


Mas é claro que o sol vai voltar amanhã
Mais uma vez eu sei
Escuridão já vi pior de endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem.

Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena
Acreditar no sonho que se tem
Ou que seus planos nunca vão dar certo
Ou que você nunca vai ser alguém
Tem gente que machuca os outros
Tem gente que não sabe amar
Mas eu sei que um dia a gente aprende
Se você quiser alguém em quem confiar
Confie em si mesmo
Quem acredita sempre alcança!