Friday, March 28, 2014

Fernando Koproski




Ontem a poesia foi minha canção de ninar, revi "Flores raras" e fiquei naquele estado de graça que é ouvir poesia linda, tecida com cuidado por Bishop, depois o carteiro trouxe a trilogia - um poeta deve morrer - foi overdose de poesia e mergulho no belo, que só os grandes poetas podem imprimir. Gracias Koproski, pelas dedicatórias ternas e por poemas que lavam todo o piegas do amor, coisa que só grandes poetas conseguem. Quis ler abruptamente como quando alguém toma o café das manhãs às pressas para ir ao trabalho, e lembrei que poesia é banquete, que necessita ritos e reverência, ainda assim, devo dizer que a trilogia fala do Amor no sentido amplo. Não apenas canta o amor à musa Ingrid, a Poesia de Koproski fala sobre a vida: os nossos pares, a nossa família, o nosso meio literário com coragem e sem piedade, pois na Poesia não cabe piedade, piedade a gente deixa para os textos pobres, estas coisas tipo Martha Medeiros e Lya Luft. A Poesia é corte, cirurgia, sangue vivo, não existe poesia nas "receitinhas de felicidade" a poesia rasga, é corte cirúrgico, é real encontro com nossa humanidade e a felicidade - fugaz - se eterniza em cicatriz. Um bom poema a gente nunca esquece... Gosto muito deste fragmento que transcrevo:


"Os piores poetas morrem em grandes salões ovais, com roupa de gala e ao som de impecáveis quartetos de cordas. Os piores poetas morrem laureados por inúmeros prêmios da academia, reconhecidos pela crítica especializada como dicções únicas da literatura de sua língua ou de seu país. Os piores poetas, quando morrem, deixam seus bustos e poemas esculpidos em mármore no hall de entrada das universidades.

Os melhores poetas, quando morrem, deixam apenas seus poemas esculpidos em sangue"

Fernando Koproski\retrato do amor quando verão, outono e inverno\página 35\7Letras 2014.

A trilogia do poeta Fernando Koproski "Um poeta deve morrer" iniciada com o livro "Nunca seremos tão felizes como agora" (2009) e os livros hora editados "Retrato do artista quando primavera" e "Retrato do amor quando verão, outono e inverno", trazem apresentação de Rodrigo de Souza Leão (2009), Antonio Thadeu Wojciechowski e Marcelo Montenegro, respectivamente...