Monday, October 06, 2014

+ Respirar






Canto Sagrado de Estrela & Flor

A fala tensa do teu desejo sufocado
A evocação da branca flor convexa
Poética réplica de Apolo - Amado!
Teu desejo oculto neste fog imaculado
Saltou - sem cerimônia - na noite branca
De corujas cínicas a ciciar: - Sim!
A esta evocação - doçura e lâmina -
Dissolvo-me. Nunca venhas para mim...
Nunca venhas para minha cama
Sonhar abrigar tua carnadura em flor
Espatifou os átomos do meu corpo -
Quem há de suportar tanto amor?
Flor rósea côncava entorpecida
Corpo cravado no absoluto iluminado
Então é isto - Estar ao teu lado?
Deus extraiu-me da tua esquerda ilharga
E se voltar a ti vou me transfundir em blues
Como uma estrela feliz que volta para casa
Bárbara Lia
Respirar/2014
da séria "uma mínima estrela"
página 93