Wednesday, December 10, 2014

Je t'aime... Coré Etuba






aqui não é Paris, é quase La vie en rose
os podres poderes anulam o humano -
"cidade perfeita" - escoa nas canaletas
emparedados seguimos na cinza do dia
não há ciranda, anel que não me deste
fevereiro a fevereiro, nada virá, nem deus
rosas virgens mortas, musas do Templo,
todos os beijos de Gilda - evaporam tristes -
enquanto serpenteia o toque dos sinos étnicos
e as figuras de Poty dançam nos umbrais
abandonam os murais em surreal alegoria
tremula em uma tela  cinza o filme super 8 -
pedalinhos no Passeio / Público - a beleza dói
a Poesia valsa entre paredes, entre alamedas,
somos Pernetas ns bosques ao som de Bach
Poetas são sempre estes malditos degredados
em fictícios navios negreiros, empoeirados
de estrelas... não há espaço para o quântico,
o cântico, os salmos, a fala das mulheres.
degolaram as bruxas e, ainda bem,
também as fadas - esta coisa enganosa...
ser mulher é sangrar; fadas não sangram,
não flamam... sou bárbara, sempre, meus versos
são como pecados atirados num rio secreto
- sinuosidade líquida entre as pedras tortas -
quem beber se envenenará de fogo e primaveras
e amor - a droga-mor
não haverá Paris, só vida em rosa tropeçando
em pedras ocres, cinzas, marrons, negras
pálidas pedras de toque que me faz invisível
ninguém entenderá - nem eu - se eu disser
que amo este lugar como um menino ama
a primeira mulher que tocou e lhe concedeu
espasmos arredios, um pequeno céu vadio
amo, pois também vi estrelas despencadas,
os filhos crescerem, amores florescerem
e morrerem e florescerem...
floresça!...
aqui  é um não-lugar que me habita
e quando atravesso
o perfume mel de uma alameda branca
esqueço os nãos e sigo sim, assim,
tão feliz quanto a mais feliz
das mulheres que atravessa - alumbrada -
uma rua qualquer de Paris ou Pasárgada

Bárbara Lia
dezembro 2014

Imagem - Painel de Poty Lazarotto