Sunday, April 03, 2016

O sal das rosas




DEUS NO ORVALHO
(para Jorge Luiz Borges)

Jardim perfumado de Istambul.
Sol intolerável beija a rosa azul
no vaso branco, dois cães cor da lua
ao redor.
Teus olhos se perdem na rosa nua.
Olhos da cor do Mar Cáspio na aurora.
Gota de orvalho baila na pétala.
Cristal.
Ponto no espaço – Aleph
descortina o universo.
Sonhos enxertados de sóis, desertos,
aromas, fauna, primavera, borrascas.
Todo universo na gota clara
que cobre a rosa. A lágrima desce solar
ao lábio carmesim, e o peito arde de amor e luz.
Bárbara Lia in O sal das rosas (lumme editor)

este poema também integra a Antologia - Arqueologia da Palavra Anatomia da Língua (Literatas - Maputo)
**Livrarias Cultura ou via editora**