Thursday, May 12, 2016

Querida Presidenta...




Há muitos anos toquei o ódio contra tua alma guerreira. Começou na tua primeira campanha à Presidência da República. Cresci em uma família conservadora e direita radical. Naquele ano eu estava com minha decisão tomada desde o início, era vital seguir com as políticas sociais implementadas por Lula. Tirar milhões da linha da miséria e da pobreza, dar dignidade às pessoas, permitir que os jovens pobres tivessem acesso às Universidades, ajudar com uma mudança jamais vista era e sempre foi um sonho meu, uma espécie de tempo de felicidade que sofreu um duro golpe no dia de hoje. Estava eu, em uma manhã, tranquila e calma em minha casa quando abri um e-mail enviado por algumas parentas. Era o mesmo e-mail com a mesma mentira. Era o começo daquela patrulha do ódio que planta coisas irreais, repetem à exaustão até convencer os que não tem um pensamento político sólido. O e-mail dizia que você era uma terrorista, uma ficha do dops, uma sequência de noticias sobre sua vida de luta pela liberdade. Sim, eu conhecia a tua luta e esta frase resume tua vida para quem conhece História. A "terrorista" não poderia governar o País. O e-mail deveria ser ignorado como sempre faço com os da família para não brigar com sangue do meu sangue, No entanto, sob impacto daquela invasão querendo impor-me uma ideia mentirosa, respondi bruscamente e criei atrito com irmã e primas. Seguiu um tempo onde - nunca antes na história deste país - alguém foi tão severamente atacada. E ao ver-te hoje a sorrir neste momento tão crítico eu fico pensando em antigas heroínas, e nas lendas que meu pai contava. Existe um lugar onde a força reside. Longe de filmes hollywoodianos e lado negro ou não da força, longe das coisas de agora que dissolvem líquidas sempre e em tudo, existe um lugar onde a força reside. E algumas almas tocam este lugar. Algumas pessoas sabem que existe um fator que a tudo sublima, e existe um ideal onde podemos amarrar nossos navios à salvo. Independente do futuro, do hoje, de toda nossa impotência diante da sanha e do ódio das almas pequenas, é la que você caminha, é onde você chegou. Li sobre o limite da dor humana. Quiçá aqueles antigos dias nas mãos do carrasco a tenha conduzido ao patamar inatingível. E você soube que bastava seguir o coração para encontrar a paz bendita dos fortes que vivem por amor. Obrigada Dilma por toda a sua dedicação desde sua adolescência. Obrigada por ter olhado os meninos, jovens, mulheres e estabelecido um tempo belo, dói saber que muitas conquistas irão para o ralo, mas, nos reergueremos meio aos escombros e este ideal de igualdade, de justiça social e este tempo tão raro que fez com que o Brasil fosse olhado com respeito em todo mundo, ele há de voltar. Querida e ainda nossa Presidenta, conte com nossa força e nossa luta.