Friday, March 24, 2006

leonardo boff

- Sustentabilidade e Ética - Frei Leonardo Boff.
Aprendendo no Fórum Global da Sociedade Civil, sentindo que a vida é muito mais. Frei Leonardo Boff findou falando do arco-íris, tomei a maior chuva na volta prá casa, e mal entrei em minha sala, que descortina um céu só meu - havia um arco-íris.



'SUSTENTABILIDADE E ÉTICA'

Bárbara Lia

Dentro do Fórum Global da Sociedade Civil – Cujo lema é: Bem-vindo ao mundo real. Nesta manhã de quinta-feira, Frei Leonardo Boff fêz uma palestra cujo tema era – Sustentabilidade e Ética, quase toda a fala está reproduzida, de um pensamento lúcido e iluminado, que levou a platéia a um longo aplauso, ao final das palavras de Leonardo Boff:

Sustentabilidade está associada, nos últimos anos, ao tema – desenvolvimento sustentável. É como está nos documentos oficiais. Desde o começo esta expressão é um engodo.   Esta expressão associada à economia capitalista que se fixa sempre em três aspectos:
- aumentar a produção.
- potenciar o consumo.
- gerar riquezas.
Para isto ela devasta a natureza e cria desigualdades sociais. Esta economia consegue separar a economia da política, ética e sociedade. Agora a política é controlada pela economia, a economia é como um lobo no meio de ovelhas – devora. Explora de forma ilimitada o planeta Terra, de uma maneira devastadora e faz desaparecer 3.000 espécies/ano. Este sistema vive de duas ilusões – dois infinitos. Imaginar que os recursos são infinitos; e que podemos nos desenvolver infinitamente.
Jacques Chirac disse em Johannesburgo, no evento Rio + 10 – Se quisessemos universalizar este modelo, precisariamos de mais 3 Terras iguais a esta.
Jaques Lovelac, autor do livro – A vingança de Gaia – escreveu: "Ou nós mudamos ou vamos conhecer o destino dos dinossauros"
O ser humano com o sistema capitalista se comporta como um meteoro rascante que pode destruir vastas dimensões da natureza.
São assustadoras as revelações que estão detalhadas no Relatório de Avaliação Ecossistêmica do Milênio, encomendado pela ONU a 1.300 cientista do mundo todo, algumas conclusões como estas:
- As atividades antrópicas estão mudando de forma irreversível o cenário na vida do planeta Terra, é improvável que se sustente por muito tempo...
Cada dia mais pensadores, políticos e ecologistas se dão conta do que enfrentam... Nós seres humanos, ocupamos 83% do planeta e ocupamos devastando. Precisa-se de uma coalisão de forças ao redor de nossos valores. Um novo paradigma civilizatório. A forma atual vai nos levar a um impasse se não tomarmos medida agora, entre 2.030 e 2.035 a Terra não será mais sustentável, com mudança no clima e milhões de vitimas.
A palavra Ética nunca fez tanto sentido. Do grego – Ethos – que significa – A morada humana.
A casa humana não é nosso apartamento, é o planeta. A Ética tem que contemplar esta casa. Construimos uma máquina que pode destruir a espécie. Construimos 25 armas quimicas e biológicas, nós como espécie humana, podemos desaparecer.
Existem dois documentos que comportam este debate. Um documento é o Manifesto por la vida -  por una Ética por la Sustentabilidad,  E a Carta da Terra, que entre 1.992 e 2.000, envolvendo 42 países e populações, a partir de uma pergunta: - O que vocês querem da Terra? Este documento foi assumido pela UNESCO. Estes dois documentos se preocupam com alternativas. Uma Ética diferente da realidade, que nós aqui, em grande parte dos presentes compartilha:
- Visão holística de que não estamos sozinhos sobre a Terra. Todos os seres vivos usam este espaço.
- A humanidade é parte de um vasto universo em evolução. A terra é um super-organismo vivo e nos deu condições para que surgisse a vida e a reproduzisse. O ser humano é parte desta comunidade de vida, da bactéria originária, passando pelos dinossauros e colibris, até o homem possuem os mesmos 20 aminoácidos e 4 bases contastadas.
A missão do ser humano, como está no Gênesis, é ser jardineiro do éden. Especialmente nos últimos anos temos nos comportado como Satãs. Edmundo Wilson escreveu em seu livro – O futuro da vida: “Nós transformamos o Jardim do Éden em um matadouro”.
A Ética da Sustentabilidade é uma Ética para renovação da sustentabilidade da vida.
A nova Ética salvadora se funda em 4 Princípios e 4 Virtudes:
Princípios:
1.      Afetividade.
Dar centralidade à afetividade e à sensibilidade. Qual é a estrutura da base última do ser humano? A razão (logos) é a sua essência, mas a capacidade de sentir (pathos) é a estrutura da base do ser humano, é a afetividade. Somos empíricos, a primeira reação do ser humano em contato com a realidade é o sentimento, só quatro segundos depois é que a razão desperta. Sofremos uma lobotomia que nos impede de tomar medidas em benefício dos que morrem de fome.
2.      Cuidado
Tudo o que vive precisa de cuidado. Se o ser humano for abandonado depois que nasce – morre. A vida exige cuidado. Os ecossistemas, as águas. Até a própria morte exige cuidado, bem como a nossa espiritualidade. O projeto maior do Ministério do Meio-Ambiente é – Vamos cuidar do Brasil.
3.   Cooperação
Lei suprema do Universo. Dizem os cosmólogos e fisicos quânticos, contra Darwin – A cooperação é a lei suprema do processo da evolução. Tudo tem a ver com tudo. O mundo é feito de uma rede de relações, ninguém fica fora, desde os primeiros top-quarcs e átomos que se relacionaram, até os dias de hoje. Os ancestrais antropóides não comiam como animais, cada um para si. Eles dividiam entre eles, e foi a cooperação que desenvolveu a Humanidade.
4.  Responsabilidade
Dar-se conta da consequência de nossos atos. Com relação aos transgênicos, não sabemos o que pode acontecer em nosso organismo em contato com essas bactérias, os transgênicos podem atrapalhar o equilíbrio de nosso corpo. Quando algo se desestabiliza, recebemos sinais, e não sabemos se os transgênicos não podem alterar as bactérias que nos avisam da gripe ou de qualquer outro erro em nosso sistema interior.

Quatro são as virtudes necessárias a partir destes princípios:
     
1.      Hospitalidade
Emmanuel Kant em seu último livro – Paz Perpétua – foi o primeiro que pensou a globalização. Hoje existem trezentos milhões de refugiados por razões políticas no mundo, não recebendo hospitalidade, vivendo em navios, em acampamentos. A primeira virtude do ser humano – a hospitalidade.

2.      Convivência

Nós náo existimos. Nós coexistimos. Todos os seres possuem história, tem um jeito próprio de se relacionarem uns com os outros. Devemos pensar não só o pacto social, mas o pacto natural. A harmonia entre nós e a harmonia da natureza.  A Democracia não pode ser antropocêntrica, tem que ser sócio-cósmica. A cultura ocidental nunca teve abertura para o outro – a Hamburguerização do mundo.
Nossa cultura ocidental não se encanta pela diferença, ela a elimina.
      
3.      Respeito

Todos os seres são mais velhos que nós. 98% da Terra existia quando surgiu no cenário o ser humano. Nào estamos sobre os outros seres. Mas, na mesma casa. Albert Scheitzer o médico suiço que foi viver na África e construiu hospitais, grande pensador, que deixou esta lição – Ética é responsabilidade por tudo que existe e vive, pois tudo que existe e vive merece ser respeitado.

4.      Comensalidade

Poder comer. Poder sentar à mesa e desfrutar do que a Terra dá. Sermos comensais. Enquanto os seres humanos não tiverem a garantia da comensalidade, não vamos ter sustentabilidade.

Estes princípios fundam uma nova espiritualidade. Um novo sentido de vida. Uma nova cultura de paz. A paz perene, grande anseio do ser humano, que está longe de ser alcançada. Mas, que pode alterar a vida na terra, em um arco-íris que vai cobrir a todos. Como está escrito – Quando virdes este sinal, nunca mais o dilúvio.




 Bárbara Lia para o site Vejo São José