Friday, December 22, 2006

COLARES DE FRIDA























Llorona - Chavella Vargas

Todos me dicen el negro, Llorona
Negro pero cariñoso.
Todos me dicen el negro, Llorona
Negro pero cariñoso.
Yo soy como el chile verde, Llorona
Picante pero sabroso.
Yo soy como el chile verde, Llorona
Picante pero sabroso.

Ay de mí, Llorona Llorona,
Llorona, llévame al río
Tápame con tu rebozo, Llorona
Porque me muero de frió
Si porque te quiero quieres, Llorona
Quieres que te quieres más
Si ya te he dado la vida, Llorona

¿Qué mas quieres?
¿Quieres más?


COLARES DE FRIDA
Ontem no Mafalda Café Bar Bistrô, Rua Tibagi, 75, bem atrás do Teatro Guaira, o novo endereço do Café Mafalda, aconteceu o desfile - Colares de Frida -
Foi fundamental para relembrar Frida, a força dela, o impacto que me causou conhecer esta mulher. Ser ela vez por outra dentro, dentro da alma entranhada em uma ressonância que me apavora... Quando li a biografia de Frida em 92, eu pensava - esta sou eu.
Dos modelos que exibiram os colares, só sei o nome do Anderson Faganello, as moças de branco, flores nos cabelos, colares de Frida. O ponto alto da festa, e o meu desejo de estar ali, ouvir a Melina Mulazani cantar. Vestida de verde como Frida no dia de seu casamento, ela cantou as músicas do filme Frida. Em uma roda de amigos, uma noite, a Melina cantou uma música catalã, mais tarde, no palco do Wonka recitou - Cecília roendo unhas - do Leprevost, então a convidei para dizer meus poemas no projeto Porão Loquax.
Màrio da Silva acompanhou ao violão, foi uma bela apresentação da música do filme Frida, e dos colares de Danielle Santiago - www.colaresdefrida.com.br


À SOMBRA DOS MURAIS EM FLOR
(para Frida Kahlo)

(Cravos na pele
os seios
a coluna jônica
a pele tolteca
os pregos
os pregos
via-crucis
expiação)

Pinto em palavras
A tua dor.
Sonho teus sonhos.
Vivo os maremotos sutis.
As espinhosas horas
Que nos traz o amor.


Pinto girassóis de aço.
Espumas.
Estrelas.
Vou colorindo
Com vulcânicos
Abraços
A solene tela
(Riso-sol de meu Diego,
À sombra
Dos murais em flor)
BÁRBARA LIA
(O sal das rosas - Lumme editor, 2.006)