Sunday, April 08, 2007

LILLIAN HELLMAN















Lillian Hellman veio me visitar em uma noite, era final dos anos oitenta e a rotina fosca e asfixiante havia eclipsado a minha veia literária, os meus anseios de menina, tudo esquecido. Até que coloquei as minhas crianças para dormir, apanhei um filme que havia alugado e fui para meu quarto no andar de cima. No andar de baixo, meu ex assistia -perdidos na noite- eu achava muito propício o nome do programa, e éramos mesmo dois perdidos na noite, na vida, na estrada. Só não sabia que ao ver o filme Júlia ia vislumbrar dentro chispas da antiga luz, e ia ter vontade de voltar para meu lugar. Tem uma matéria no jornal Rascunho, que fala da escritora americana que veio para me lembrar quem eu era. Sei que foi naquela noite, diante da vida de Lillian Hellman, vestindo a pele dela, sentada ao lado de seu Dash, olhando estrelas, envoltos em uma manta. Foi percebendo o meu sonho ali na tela que comecei a romper as amarras com o que me desviava da escrita, da busca do amor que é partilha. A química perfeita: Jason Robards - Dashiell Hammett. Jane Fonda - Lillian Hellman. Sempre volto ao inverno antigo, à cama vazia, ao silêncio do sobrado, as crianças dormindo e eu olhando a cena e pensando: É isto que eu quero para a minha vida! Escrever. Olhar as águas calmas de um rio, ao lado do amor maduro, e mesmo ao lado do amor, ser livre, e ter coragem para lutar por esta liberdade...
e então, eu mudei de idéia, e pintei diferente o quadro dos meus dias...
...
À medida que o tempo passa, a tinta velha em uma tela muitas vezes se torna transparente. Quando isso acontece, é possível ver, em alguns quadros, as linhas originais, uma criança dá lugar a um cachorro e um grande barco não está mais em mar aberto. Isso se chama pentimento, porque o pintor se arrependeu, mudou de idéia".
Lillian Hellman
...

Fernando Monteiro - Retrato de uma americana.

no endereço abaixo:






http://rascunho.ondarpc.com.br/index.php?ras=secao.php&modelo=2&secao=3&lista=1&subsecao=9&ordem=1251