Sunday, October 21, 2007

SYLVIA E O FALCÃO - DIA 30 NO PORÃO


















Se as pessoas olhassem mais para a poesia
de Sylvia Plath e menos para o fevereiro
de 1.963: Londres, duas jarras de leite para os filhos,
neve, água congelada na torneira...
Veriam o quanto é intensa e rica sua obra...
Todos os dias pessoas se matam.
Mas, quem escreveu poemas como Sylvia Plath?
Que importa alguns tentarem levar adiante a sua obra,
se há um exército inteiro na platéia esperando
o instante em que ela vai colocar a cabeça no forno?
Ela sabia disto quando escreveu Lady Lazarus.
Incomoda-me um pouco esta fixação na pessoa
e não na sua obra. Foi assim com Orides Fontela.
Cada pessoa que fala de Orides Fontela não diz
apenas que era a poeta da síntese,
que conseguia concentrar em versos mínimos
um universo metafísico e filosófico.
Sempre evocam o gênio rude dela,
sua pobreza.
Sem lembrar que a Arte é exatamente isto,
uma espécie de alquimia onde é preciso saber
a fórmula secreta e transformar o cascalho em ouro,
ou no caso dos poetas, palavras em vida, espanto,
grito, aleluias, protesto, tudo isto com fogo dentro
e água e ar, pois existe também a palavra morta,
construida em cima do nada, este tipo de "poesia"
que alguém lê e pensa - e daí?
****
30 de OUTUBRO - Porão Loquax - Sylvia Plath
Dia 27 de outubro Sylvia completaria 75 anos.
No porão do Wonka Bar, os atores Andrew Knoll
e Carolina Maia - do Grupo Processo Artes
Mundiais - vão dar vida a um roteiro que estamos
compondo juntos, um roteiro com fragmentos
de poesias, uma mini-peça teatral.
Sylvia e o Falcão é o título de um texto
que escrevi depois de ler os livros de Sylvia,
o livro de Ted Hughes, a biografia de Sylvia
e seu romance - A Redoma de Vidro...
Desde já o convite para a homenagem à Poeta.