Wednesday, January 02, 2008

O AMOR NOS TEMPOS DO CÓLERA





“Era inevitável: o cheiro das amêndoas amargas lhe lembrava sempre o destino dos amores contrariados” - O amor nos tempos do cólera (Gabriel Garcia Marquez)
Ele esperou cinquenta anos nove meses e quatro dias... Esperaria sessenta anos dez meses e cinco dias, esperaria setenta anos onze meses e seis dias... ou mais... simplesmente por esta inenarrável certeza: amor.
Esta certeza que cai como um raio um dia em nós.
Foi no ano de 1994 que caiu este livro em minhas mãos e jamais esqueci Florentino Ariza e Fermina Daza. Quando fui dizer feliz ano novo à minha vizinha octogenária - Yáyá - contei o enredo de uma nova história que quero narrar, e ela disse - Garcia Marquez.
Ela me disse que estava passando o filme - O amor nos tempos do cólera. Rever Javier Barden. Gosto imensamente de Javier Barden. Também Fernanda Montenegro que interpreta a mãe do apaixonado Florentino.
O amor é o mesmo - em tempos do cólera, ou não...