Thursday, October 30, 2008

Orientalismo





Programação:
Dia 29/10, quarta-feira:
Edward Said e o lugar da crítica ao orientalismo nos estudos humanistas
- Renato Queiroz (Antropologia, FFLCH-USP)
- Gabriel Cohn (Sociologia, FFLCH-USP)
- Mamede Jarouche (Letras Orientais, FFLCH-USP)
- João Quartim de Moraes (Filosofia, UNICAMP)
- Coordenação: Francisco Miraglia (Instituto de Matemática e Estatística, USP, e ICArabe)
Dia 30/10:
O orientalismo e os orientes

- Ana Maria Alfonso-Goldfarb (História da Ciência, PUC-SP)
- Emir Sader (Laboratório de Políticas Públicas, UERJ, e Secretário Executivo de CLACSO)
- Milton Hatoum (Escritor e Prof. de Literatura)
- Miguel Attie Filho (Letras Orientais, FFLCH-USP)
- coordenação: Arlene E. Clemesha (Letras Orientais, FFLCH-USP, e ICArabe)
Dia 31/10:
Projeção do filme "Conhecimento é o início" (Dirigido e produzido por Paul Smaczny, 93 min)

Seguido de debate com:
- Carlos Calil (Escola de Comunicação e Artes-USP, Secretário Municipal de Cultura de São Paulo)
- Sylvio Band (Engenheiro e pesquisador em Filosofia da História)
- Jorge de Almeida (Teoria Literária e Literatura Comparada, FFLCH-USP)
- coordenação: Soraya Smaili (Universidade Federal de São Paulo e ICArabe) e Mohammad Habib (Universidade de Campinas, UNICAMP e ICArabe)
*O seminário se realiza no Centro Universitário Maria Antonia, no mesmo momento em que se registram 40 anos da decretação do nefasto Ato Institucional no 5 da ditadura militar.


(Ainda dá tempo de participar deste simpósio!)


Esse simpósio promovido pelo Instituto da Cultura Árabe comemora 30 anos da publicação da principal obra de Edward Said - Orientalismo - expondo a maneira como suas idéias continuam inspirando novas apreciações e análises ao redor do mundo. Em Orientalismo, Said demonstrou pela primeira vez, de maneira sistemática, que o que se convencionou chamar de Oriente reflete uma construção intelectual, literária e política do Ocidente, como meio deste ganhar autoridade e poder sobre o primeiro.Ao demonstrar que na base do pensamento racionalista do século XIX está a criação identitária que opõe Ocidente a Oriente, a obra de Said tem instigado a própria renovação dos conceitos fundamentais das mais diversas disciplinas humanistas. Onde se percebe que o rigor e a suposta neutralidade axiológica têm sido decisivamente influenciados pelos interesses econômicos e políticos da sociedade produtora dos conceitos e métodos de trabalho que embasam essas disciplinas.
Coordenação: Arlene E. Clemesha, Francisco Miraglia, Márcia CamargosComissão Organizadora: Arturo Hartman Pacheco, Isabelle Somma, José Farhat, Michel Sleiman, Natália Nahas, Safa Jubran, Said Bichara e Soraya Misleh. Agradecimentos: Daniela Wasserstein (do Festival de Cinema Judaico) Apoio Cultural: Brasilprev e Instituto do Sono