Sunday, March 22, 2009

Uma carta





Em 2006 organizei um recital de Poesia Árabe em apoio aos civís do Libano. No caminho desta tessitura fortaleci o carinho pelo poeta Michel Sleiman e conheci algumas pessoas da comunidade árabe. Nosso Diwan na noite mais gelada do ano foi um canto com acompanhamento do alaúde. Neste mês passei alguns dias em São Paulo e quando estava lá a editora de -A última chuva - Tãniz Diniz escreveu dizendo que Maria de Lourdes Jaude estava à minha procura. Ela esteve na noite árabe e nunca mais a vi. Ontem tomei um café com ela e suas irmãs Hamila e Jane. Um encontro de poesia e revelações. Lourdes canta ópera pelas ruas para os moradores de rua. Quer levar a poesia para a praça - contraponto aos crimes e dores que as ruas carregam - eu me encolho dentro do meu silêncio, cada dia mais silenciosa. Mas, toparia um movimento de rua que colocasse a poesia no topo, sem as auréolas pessoais e o narcisismo deste tempo. Só a poesia. Lourdes é advogada que se especializou em urbanismo, por isto sua vida passa pela rua. Os seus habitantes passantes que são o espelho da cidade. Ela não usa internet e retomamos o velho amigo telefone e ontem sai de sua casa com algumas páginas sulfite que ela entregou. Eu acreditando que eram seus versos, quando li era uma carta. ...


fragmento da carta de Lourdes Jaude:

...


L'etoile du vers
.
Bénie et
amoureuse,
rayon du miel, La
belle comme
a igual de la
racine oú il y
a
.
Lumiére! Ton
incommensurable est l'
aimable chemin a guider...


Poema para a Escritora Poeta "A estrela do verso" ..."Os seus caminhos sabe guiar"... Pelo perfil da estória. História. Esse halo bendito que coroa o Amor como escola das Letras. Favo de mel que alinhava o pensamento poético de gamas diversas. A Bela da Raiz da Palavra onde há luz de quimeras. O seu incomensuravel é ser guia das estrelas de suas proprias ideias...


... segue a carta e a poesia traçada em sete páginas, os fragmentos brilhando como os pingos na vidraça da janela do ônibus enquanto eu lia. "O poema é sopro divino num varal onde cada um apanha o que vê ou sente"... "Poeta é aquele que colhe do espaço o romance como romãs em ramas no bosque da sensibilidade"...