Monday, June 01, 2009

O paciente inglês








.


Hanna pula amarelinha
No monastério
Sombra azul de lua italiana
Delineia a silhueta de Hanna
Minas e ruínas
Aos pés do piano de Bach
Escadas de livros
E vôos de mariposas
Descortinando o sagrado
Almasy recolhe cenas
Entre a fuligem de cada poro
Noites de camelos e areia
Um tratado dos ventos
Para a amiga de Heródoto
O pingente em forma de dedal
Navega no Bósforo intangível
Ardem fogueiras no deserto
Incendiando a cartografia celeste


Nunca mais os amantes dançarão
Ao som da melodia
De Irving Berlin

Bárbara Lia



.

- Leitura poética de cenas de um dos filmes que mais amo - Conde Lazlo de Almasy é real e Michael Ondaatje alterou fatos históricos da vida do aristocrata da Hungria, mas, manteve seu nome real. Lazlo era um explorador do deserto, em busca de Zerzura - a cidade branca como a pomba. Katherine lendo Heródoto, Lazlo costurando a camisa e pendurando o dedal em seu pescoço e brincando que a ele pertencia o estreito de carne logo abaixo do pescoço dela, um homem que via a mulher como quem vê a terra estendida, branco deserto que se avista do pequeno avião. Os instantes poéticos onde Hannah pula amarelinha na noite branca, onde ilumina paredes sagradas com um castiçal, vôos que lhe proporciona o moço de turbante... Uma obra prima de Anthony Minghella.
.
.

"Amo o deserto. Amo a infinita extensão, o vento, os picos escarpados, as cadeias de dunas como rígidas ondas do mar. E amo a vida simples e rude de um acampamento primitivo no frio gélido, a luz das estrelas na noite e as calorosas tempestades de areia. "
Lazlo de Almasy in “O Sahara desconhecido”

.

- Vou lhe falar sobre os ventos. Há um ciclone do Sul do Marrocos, o Aajej, contra o qual os felás se defendem com facas. Há o Ghibli da Tunísia...
- O Ghibli?
- Ele gira gira gira e produz uma sensação estranha. E há o Harmatã, um vento vermelho que os fuzileiros chamam “mar de trevas”. A areia vermelha deste vento chegou à costa sul da Inglaterra. Produziram tempestades tão densas que parece sangue.
- Mentira. Temos uma casa nessa costa e nunca choveu sangue.
- É verdade, Heródoto, seu amigo...
- Meu amigo?
- Ele escreveu sobre isso... E há o vento Simun, uma nação chegou a declarar guerra e marchar contra ele com armaduras e espadas erguidas.

(Diálogo entre o Conde Almasy e Katherine no filme - O Paciente Inglês (Anthony Minghela) – baseado no livro com o mesmo nome, de Michel Ondaatje)