Thursday, December 17, 2009

"Mulher na árvore" e "O que é Poesia?"



1) O que é poesia para você?

A poesia é o meu ar. Minha forma de expressão. Meu jeito de dizer e narrar e questionar e transformar a realidade ao redor e assim alumbrar almas.
(...)

início da entrevista que está no livro organizado pelo Edson Cruz - O que é poesia?
(Confraria do Vento/Cáliban)
pg. 29


-
Passei 2009 pensando neste meu arsenal de livros e como fazer para publicar. Depois eu analisei o meu caminho e fiquei bem calma. Tem ainda esta contumácia dentro da Literatura - valorar o cara depois de morto. O que não for publicado agora vai ser um dia. Esta liberdade que a poesia tem de caminhar sobre o tempo, acima do tempo, dentro do tempo. A poesia que me salva, como eu disse dentro desta mesma entrevista.
A poesia está em lugares inimagináveis. Posso dizer que ela tornou minha vida suportável.

Epifanias. Hora de esquecer as agruras atadas ao fato de ter voado tão longe a minha poesia. E retomar a obra, com a mesma ternura e volúpia que engendrou os meus livros, os diálogos, as possibilidades. Voltar à poesia que ela é minha e eu sou dela. Nunca vou lavá-la de mim.

Por isto 2009 encerra com dois passos firmes na prosa e na poesia. O conto - Mulher na àrvore - selecionado entre os mais de dois mil contos do Concurso Nacional de Contos Newton Sampaio e estar neste livro organizado pelo Edson Cruz - passos importantes neste ano. O filme do Pipol que vai estrear em breve - H2horas. Outras mídias, coisas tão complexas para mim. 2009 veio pra confirmar que sou uma escritora à moda antiga. Que só sabe escrever e buscar a publicação no velho estilo. Aquela agonia poética do Fante em - Pergunte ao Pó.
Ter concluído um romance, organizado um novo livro de poesias e escrito um texto para Teatro. Começar a elaborar outro texto onde eu vou falar da ausência da Ternura - repensar sobre esta vontade de abraçar o mundo. Ser romancista e poeta já está de bom tamanho. Perseverar na escrita e mostrar minha visão de mundo. Samir Yazbek abriu uma janela poderosa no workshop colocando desta forma simples. Todas as ferramentas são instrumentos para dizer algo que espelhe a visão de um autor. Simples. Quero levar a dramaturgia com a mesma leveza com que levo a poesia e a prosa. Sem pressões e sem cobranças. O que acontece na Arte é apenas isto. O que prospera é a obra que tem como uma marca d'água a alma do seu autor.
.
2009 foi o ano da produção, sem produção não há publicação. Os livros tem vida própria eu bem sei. Quando chegar o momento eles nascerão.