Friday, April 16, 2010

Sopro de Deus

.

Sigo distraído e breve: piedade na alma
opulência no calabouço.


Sigo sereno, neblina me abraça.
Meu corpo um jarro de esperanças. 


O amor – única navalha que me corta.
Aprendi que somos sopros de Deus – instantes.


Bárbara Lia
O sal das Rosas
Lumme Editor/2007