Thursday, April 14, 2011

O céu de cada um

*

Dizem que o céu é tal qual a gente imagina. Não vou dividir o meu céu ao vivo, ele é muito escandaloso. Alguém sabe o meu Segredo e o Cenário Meu. Um céu! O que sei é que a minha antiga visão de Céu evaporou com a certeza de que uma Ilha deserta é bom pra reabastecer o espírito. A Eternidade é outra história. Antes da viagem eu vi Hereafter. Difícil gostar de um filme americano. Gostei deste, tem final feliz. Final Feliz sem ser piegas. Cada vez que escrevo um romance eu coloco um final feliz, depois vou até o final e desconstruo. Dei um final feliz pra Lyn, em Constelação de Ossos, depois eu a matei. Na minha cabeça eu a matei, alguns lêem o livro e dizem que ela não morreu. Acho que a Literatura é este Mistério de MUITOS ESCREVENDO uma mesma história e o escritor é só o MAESTRO regendo as notas (palavras)...
Ano passado escrevi um livro, e o final feliz eu apaguei. Borrei tudo. Deixei tudo nublado de céu de tempestade. Quem faz ARTE não está nessa para explicar coisa alguma, nem para ajudar ninguém a ser Feliz. È o que eu penso, pele ardendo de sal, em uma lanhouse lerda que faz lembrar o tempo que a Internet era movida a carvão...
Fotografei barcos e ondas.
Adormeci no silêncio de um lugar.
Li Poesias e agora estou aqui.
Tem um pássaro cantando na árvore estancada diante desta porta.
Vou parar com tudo isto e vou pedir para ele me ensinar seu idioma.
Vou dizer para ele fazer um Poema para mim.

Dias lerdos sem tempo para Net.

Qualquer dia eu volto.