Tuesday, July 17, 2012

biografia de poeta


Quando eu fiz quarenta anos (1995) disse a uma colega de trabalho, uma jornalista - Vou escrever uma biografia.  Ela retrucou - É muito cedo para isto. Ser escritora era um projeto engavetado, ainda. Meus primeiros escritos ainda imaturos. Acreditava que havia vivido intensamente e tinha muitas histórias pra contar. A vida mudou, eu mudei. Hoje eu sei que ainda é cedo demais para contar minha vida, mas, temo morrer sem dizer a minha versão. 
O homem que está comigo nesta imagem é o pai dos meus filhos, com quem vivi nove anos.  
Incomoda-me alguns que tentam se colocar como algo importante em meu caminho. Paixão é fogo, arde e logo apaga. Escrever versos a alguém não significa que ele seja - o cara - nem que me abalou a ponto de ter sobrado mais que versos publicados. Então, escrevo este texto para entender esta vontade de me mostrarem como alguém insignificante, sendo que escrevem sobre minha insignificância. Eu não escrevo mais sobre eles. Nem sobre ninguém. Na Antologia - Amar, Verbo Atemporal - o meu poema de amor começa assim: Tudo que me toca / vira livro / só você virou esfinge / (miragem). Dá para perceber que quando é importante mesmo a gente não fica escrevendo sobre? O infinito enquanto dura... Enquanto dura e é importante a gente vive. Uma vez meu ex-marido ficou furioso ao encontrar uma carta ao meu primeiro amor. Ele disse: Você nunca escreveu um poema para mim. Não escrevi. Vivi a realidade de uma história, até o fim. Há menos de dois anos ele morreu. Uma noite eu estava pensando nesta bronca dele e minha filha ligou: Mãe, tá vendo a lua? Tinha eclipse da lua e ela ligou para que eu não perdesse o espetáculo. Misturei tudo em um poema e, tarde demais, lhe dediquei uma poesia. Quanto aos gritos destas pessoas de ego maior que o mundo que querem que eu seja relegada a nada, mas, insistem em permanecer como - algum cara que eu amei - só tenho a dizer que é passado e página virada. Sou escritora e poeta. Se não quiser virar poesia em minhas mãos não me toque, não se envolva comigo. Simples assim. Tudo que me toca, vira livro...