Friday, October 19, 2012

Aleluia, Back!

imagem do site CBN


Um gênio é um gênio é um gênio... 
É a frase que define para mim este poeta e cineasta nesta noite, depois de assistir ao filme - O Contestado-Restos Mortais.
A pré-estréia aconteceu hoje em Curitiba e Florianópolis. Dois Estados significantes para o cineasta e os dois Estados envolvidos na Guerra do Contestado. Recebi o convite do poetamigo para esta estréia. Sai do casulo para ir ao Crystal Shopping - Espaço Itaú de Cinema, com a certeza de que estava a caminho de uma experiência única. Desde o primeiro filme de Back até aqui isto ficou nítido para mim: Cada filme um mergulho no insondável e improvável. Não dá para prever nada, pois existe sempre uma superação do esperado. A isto eu chamo - O diferencial da Arte. 
O impacto de Cruz e Sousa - O poeta do desterro - despertou em mim esta espécie de febre de fã. Tenho esta mania. Se o livro de Camus - O estrangeiro - abalou meu coração em um inverno antigo, sai em busca de seus livros e tem sido assim com os meus autores favoritos. Não só com os livros, mas, sou capaz de ficar revirando arquivos para ir fundo em um drama, como fiz com a recente história dos assassinatos no Arizona e a insólita odisséia do garoto que foi para o corredor da morte aos dezenove anos e lá passou metade de sua vida até ser libertado para se tornar aquilo que sempre foi afinal, um escritor. E os escritores são estes caras loucos, desde sempre estranhos. Ser diferente em lugares onde a ignorância impera é quase um atestado de morte, enfim... Vivo a perseguir encantos. Este é o modo Bárbara Lia de ser e viver, perseguir o que a encanta. Meu encanto primeiro com Sylvio Back foi pela Poesia que puxou o fio com Cruz e Sousa e Helena Kolody (Babel da Luz). Fui em busca dos outros filmes e elegi Lost Zweig como o "meu mais amado", embora seja inegável a importância do impactante - Aleluia, Gretchen. Sylvio Back transita pelo mundo da poesia e do cinema alinhavando tudo e construindo este rico mosaíco. De quebra ele publica os roteiros de seus filmes e documentários. Suas pesquisas exaustivas e ricas fazem dele este cineasta incrível, mais de setenta vezes premiado. Uma usina viva. Pensamentos e ações e deslumbramentos e alumbramentos e gira a roda e volta o rio e lá está de novo a mesma trama em outra montagem. Um dia é a Guerra dos Pelados, no outro é Contestado - Restos Mortais. Vira e revira e escreve contos e poesias. A velha e boa poesia erótica com o requinte que ela necessita, sem fugir do encanto da poesia, sem resvalar para o tosco. Um exímio escultor dos versos recolhidos lá pelas gramas do Olimpo... Algum pacto com Eros, talvez. Trama nova a caminho - Angústia - de Graciliano Ramos. Um novo filme e aquela expectativa - Viver para ver Angústia. Em alguns dias depois da minha guinada para este caos que é viver por um fio por conta da hipertensão e otras cositas más, em muitos dias eu penso em quanto quero ficar viva para ver meu neto crescer, encontrar editor para meus livros, terminar meus projetos, conhecer lugares que ainda não conheço e também ver os filmes que estão a caminho... Angústia, por exemplo. Back, termine logo Angústia... Pedido de fã....
O Contestado - Restos mortais - Docudrama conduzido pela narrativa de historiadores, moradores da região - descendentes dos homens e mulheres que viveram aqueles dias e outros que eram criancinhas quando ocorreu o conflito - e a participação de médiuns em transe incorporados por personas que fizeram parte do conflito. Digo personas, pois tal qual o cineasta não sou Espírita. O que poderia ser o lado polêmico dentro desta obra acaba por trazer o toque de mistério final. Somando um  pouco mais ao que já existe de místico dentro do Contestado. As virgens e os monges. A certeza dos caboclos que entraram em uma espécie de êxtase coletivo, seguindo a cada etapa do conflito um líder religioso. A excepcional montagem deste filme conduz o expectador em uma vertiginosa maratona épica e mergulhos insólitos no coração de uma guerra insepulta.



“Como meus companheiros de vício, foi para discutir cinema que estudei teorias de linguagem, sociologias, psicologias, metafísicas várias que, de outra forma, nunca teriam me despertado o menor interesse. Naqueles ‘days of wine and roses’, todos sonhávamos em ser cineastas. Só um de nós, porém, foi com toda a força para cima do sonho. Esse mestiço alemão com húngaro, o ‘cacique do sul’, como o chamava o Glauber, que soube amar o cinema mais que todos nós”. 
Paulo Leminski


Entrevista com Sylvio Back na CBN
http://www.cbncuritiba.com.br/site/texto/noticia/Entrevista/8474

O Contestado - Restos mortais com lançamento agendado em cinco capitais: Curitiba e Florianópolis (19 de outubro), Porto Alegre (26/10), Rio de Janeiro (02/11) e São Paulo (23.11)