Thursday, September 15, 2005

céu de van gogh e ia santanché




















céu de van gogh e ia santanché

*
Foi no ano de 1.999 que eu li "Cartas a Théo", as cartas do pintor holandês Vincent Van Gogh a seu irmão Théo. Escrevi "O artista e a arte" e nunca mais esqueci Van Gogh. Em uma noite de maio de 2.001 eu fui até à Livraria Arcádia - aqui em Curitiba - assistir ao espetáculo teatral - A cadeira do consultório do Dr. Gachet. Era uma performance baseada nas cartas, e quem representava era uma atriz-dançarina chamada Ia Santanché, que vivia em São Paulo. No final do espetáculo eu conversei com Ia. Mandei meu poema para ela, na época eu estava lendo os poemas e a biografia de Sylvia Plath, e pensei que aquela atriz de São Paulo talvez conseguisse fazer a dor de Plath ser poesia no palco, pois a dor de Van Gogh virou música & cena. Nosso monólogo jamais saiu do papel. Ia estava representando um monólogo sobre Clarice Lispector. Depois engravidou e teve uma filha - Clarice. Sinto falta de Ia. Da sua arte que bailava nas cartas com sua letra redonda, onde ela me chamava de Bárbara Plath.
Reuni os poemas que fiz para Van Gogh e mandei para o site cronópios. A página ficou muito linda, com meus poemas e as telas. Está também no site blocosonline. Delicada página, e tudo isto a Van Gogh ofereço.
http://www.blocosonline.com.br/home/index.php
*

A garota de costas penso que é Ia, ela me mandou este postal. Trocamos muitas cartas, postais, poemas, alegrias, sustos, nossa vida e a arte, a arte de clarice, van gogh, sylvia plath...