Tuesday, December 20, 2005

um poema





fechar a mão
sensação
de estrela triturada
na palma
espocando surdamente

fechar a mão
rasgar a linha do destino
na seta norte
da estrela triturada

agora não há mais bússola
agora não há mais rota
mulher-gôndola extraviada
no lago-céu

fechar a mão
triturar oráculo
reter na palma
estrela fragmentada


depois soprar
a energia morta
na enxurrada fria
do teu escárnio


BÁRBARA LIA