Tuesday, June 20, 2006

noir














claude théberge


..
Se me levasses a ver tua cena,
cairia - em néon azul -
o espírito de Billie Hollyday
em uma mesa de bar.
As calçadas refletiriam
andares a esmo
alçando pilares de desejo e
meninas nuas em camas de areia
com o pó negro de kohl
derretendo em prazer
no olhar.
Ou, um quarto – silêncio,
violão e cama.
Clara solidão.
Tuas cenas nítidas.


Eu - uma cena escura & vaga.
- lusco-fusco antigo -
banhada em ausência
da tua imagem em arco-íris.
Sangue ocre de árvores mortas
espalhadas em mil papiros de agora
-A4-
poesia narrada

entre o branco-ausência
e o choro ocre das árvores,
afogada em celulose,
olhando esta lua pobre,
que me confessou, corando,

em surdina
- que também adora o menino.


BÁRBARA LIA
(do livro inédito - NOIR)