Thursday, August 24, 2006

nosso aniversário

Amor Bastante


quando eu vi você
tive uma idéia brilhante
foi como se eu olhasse
de dentro de um diamante
e meu olho ganhasse
mil faces num só instante

basta um instante
e você tem amor bastante

um bom poema
leva anos
cinco jogando bola,
mais cinco estudando sânscrito,
seis carregando pedra,
nove namorando a vizinha,
sete levando porrada,
quatro andando sozinho,
três mudando de cidade,
dez trocando de assunto,
uma eternidade, eu e você,
caminhando junto

Paulo Leminski


ALHAMBRA

Grata la voz del agua

a quien abrumaron negras arenas,
grato a la mano cóncava el mármol circular de la columna,
gratos los finos laberintos del agua
entre los limoneros,
grata la música del zéjel,
grato el amor y grata la plegaria
dirigida a un Dios que está solo,
grato el jazmín.

Vano el alfanje
ante las largas lanzas de los muchos,
vano ser el mejor.
Grato sentir
o presentir, rey doliente,
que tus dulzuras son adioses,
que te será negada la llave,
que la cruz del infiel borrará la luna,
que la tarde que miras es la última.
Jorge Luis Borges, Granada, 1976

*
*

Meus presentes são presenças - uma rosa branca do Cairo e uma brisa mediterrânea (duas filhas dormindo no quarto ao lado), este ombro do centauro que me guia, pensar que o vigiei quarenta dias naquela UTI pediátrica, que um quilo de vida se transformaria em meu guardião-amigo-vida e fonte, pensar que me esqueço que hoje ele não vai à escola e o acordo tão cedo, ele nada fala, ele diz sempre com aquela calma de amor...
- feliz aniversário, mãe! deita um pouco aqui, descansa.
Deito em seu ombro direito, ele me beija a testa, assim, como me beijava meu pai. Saudades do beijo paterno, do homem que me nominou Bárbara, e me fêz guerreira, e livre. Saudade de outro ombro, o esquerdo onde pousei ouvindo um outro coração, disritmado, o êxtase no olhar, meu presente adiantado. Dois ombros, uma saudade, a brisa e a rosa, dormindo ao lado.
Bárbara Lia, 24.08.2006