Monday, August 20, 2007

SOPRO DE DEUS













www.lummeeditor.com




Sigo distraído e breve: piedade na alma,
opulência no calabouço.



Sigo sereno, neblina me abraça.
Meu corpo um jarro de esperanças.

O amor – única navalha que me corta.
Aprendi que somos sopros de Deus – instantes.


BÁRBARA LIA
(O sal das rosas - Lumme Editor - 2.007)