Tuesday, May 20, 2008

O ar do amor que nos afoga

.
Beijos
Divinos
De barro
Nutrem-me
No agora
(seco)

Recordo
O pasto
O rio
O vôo
O grito
Que acordou
Os igarapés
O aroma
Das mexericas
A menina
Alemã
Com cheiro
E cor de feno
O olhar das vacas
O arame farpado

(nunca recitei às vacas
versos de Chaucer
qual Sylvia Plath)

Nenhum palco
Improvisado
Em um abril
Cinza
Gris
Gray
Grigi
Lençóis
Cinzentos
Ao vento
Denunciam
O ar
O ar
O ar
O elemento
Que às vezes
Arde
E às vezes
Falta.
BÁRBARA LIA