Saturday, August 23, 2008

IL MIO CIELO!

(Lasciate ogni speranza
voi ch' entrate
Dante Alighieri)

Disubbidiente,
vivo i miei purgatori,
con lo zaino della speranza
attacato alla schiena
e torno
com scapole spezzate
e la speranza sgranata
scorrendo
per la sua cerniera lampo
zollette sprecate
di dolcezza.

Sia il mio cielo!
Per la tua bocca
di garofano e petali
è restata uma sola
zolletta di zucchero.

Sia il mio cielo!
Incantami,
come incanti
il colibrì colorato
nella tua veranda bianca.

Sia il mio cielo!
E aprile tue labbra
francescane
perché io adagi
ques' ultima zolletta
come un' ostia

Sia il mio cielo!
Incantatore d’uccelli
di fiumi
e di donne,
Luce agreste ultima
che mi resta.




MEU CÉU!

Desobediente,
vivo meus purgatórios,
com a mochila da esperança
atrelada às costas,
e volto
com as omoplatas fendidas
e a esperança debulhada
escorrendo
pelo seu fecho éclair
torrões desperdiçados
de doçura.

Seja meu céu!
Para tua boca
de cravo e pétalas
restou um único
torrão de açúcar.

Seja meu céu!
Encanta-me,
como encantas
o colibri rajado
na tua varanda branca.
.
Seja meu céu e abra
teus lábios
franciscanos
para que eu deite
este último torrão,
feito hóstia.
.
Seja meu céu!
Encantador
de pássaros,
de rios
e mulheres.
Luz agreste última
que me resta.
..
.
TEU CÉU
.
Que lindo o teu poema, Bárbara Lia…
e com que lirismo cantas a esperança,
abres a alma como uma criança
e com teu encanto eu ganhei meu dia.
.
Essa ânsia de amor no teu caminho,
tuas omoplatas fendidas, tuas penas,
tua canção de cravos e verbenas
nesse céu onde declamas teu carinho.
.
É teu sonho de amante que palpita,
a tua doçura que se escorre e grita
junto ao colibri rajado na varanda branca…
.
Não fosse esse teu céu por testemunha
e os teus versos soltos…, eu supunha
ler um soneto de Florbela Espanca.
Manoel de Andrade
.
Meu céu! Minha poesia que a Camilla Gretter traduziu para o italiano, ganhou um soneto do poeta Manoel de Andrade.