Friday, December 19, 2008

À sombra de um rio I




120

"Estavas, linda Inês, posta em sossego,
De teus anos colhendo doce fruto,
Naquele engano da alma, ledo e cego,
Que a fortuna não deixa durar muito,
Nos saudosos campos do Mondego,
De teus fermosos olhos nunca enxuto,
Aos montes ensinando e às ervinhas
O nome que no peito escrito tinhas.
CANTO III - Os Lusíadas - CAMÕES
.
.
Fiquei pensando nos amores que floresceram à sombra de um rio e selecionei os reais amores eternizados em estátuas e livros - Inicia com o Rio Mondego, onde Pedro I de Portugal levou sua amada Inês de Castro a navegar para talvez amainar entre as águas o fogo da paixão infinita, enquanto as ribeirinhas cochichavam enquanto lavavam roupas nas pedras do rio, sobre o rei adúltero e a aia bela, a loira flamejante que depois de morta foi rainha.