Monday, August 10, 2009

Choque de estrelas grávidas III



II

Porque tu sabes que é de poesia

Minha vida secreta. Tu sabes, Dionísio,

Que a teu lado te amando,

Antes de ser mulher sou inteira poeta.

E que o teu corpo existe porque o meu

Sempre existiu cantando. Meu corpo, Dionísio,

É que move o grande corpo teu

Ainda que tu me vejas extrema e suplicante

Quando amanhece e me dizes adeus.

Hilda Hilst

Fragmento (II) - ODE DESCONTÍNUA E REMOTA PARA FLAUTA E OBOÉ.

DE ARIANA PARA DIONÍSIO.

[Júbilo memória noviciado da paixão (1974)]

[in Poesia: 1959-1979/ Hilda hilst. - São Paulo: Quíron; (Brasília): INL, 1980.]

http://www.angelfire.com/ri/casadosol/dionisio.html


- Mais uma explosão atômica - Claudel e Hilda Hilst -

Emily Dickinson é a poeta que estou estudando agora. Lendo sua poesia e me inteirando de sua vida. Ela tem em comum com Hilda e Camille - a reclusão. Qual Emily, Hilda tinha sua casa - A casa do sol - o seu exílio, lugar do seu segredo. Emily Dickinson vivia em Homestead. Camille, forçada a viver reclusa quando a levaram para o sanatório em Ville-Evrard. Dentro das solidões optadas ou forçadas, elas criaram obras intensas, flutuantes, profundas, instigantes, reais, estonteantes e sublimes, dentro de intocáveis almas que ansiamos desvendar.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Camille_Claudel

http://pt.wikipedia.org/wiki/Hilda_Hilst