Friday, January 22, 2010

Diálogos essenciais

Legítimos

A minha ânsia da palavra fértil é a ânsia mesma

da terra ressecada no

instante suspenso em que o trovão explode:

em dolorosa expectativa aguardamos:

a terra, a água prometida pelo estrondo,

eu, o fogo anunciado pelo relâmpago.

Da tempestade eu quero o que inflama:

onde estão os que me podem dá-lo,

onde estão os poetas do fogo,

os poetas nascidos do estupro das

mais belas filhas dos mortais pelos anjos de Deus,

onde estão os poetas legítimos com suas dores que

engendram frutos,

com suas dores que são partos porque

doem pela construção da vida,

com a sua graça e fulgor que

enrubescem e afugentam a morte?

ZECA JUNQUEIRA
Rio de Janeiro


No filme - Uma canção de amor para Bobby Long - tem um verso do poeta Robert Frost que eu amo:
Eu tive uma briga de amantes com o mundo
Vi o filme e escrevi um texto que pode ser lido aqui
Vez por outra alguém recupera um texto e eu releio, como se fosse o texto de outra pessoa. O distanciamento daquele momento, o tempo e a vida agitada obliteram o que foi escrito e o que gerou aquele relato. Acho isto muito bonito. Já aconteceu ao ler a página do orkut de uma amiga querida de Belém, a Marina, ler textos que minha memória já arquivou. Em um arquivo morto, talvez. Ela cita textos meus, poesias que não vão para os livros e eu recupero um momento, uma energia, uma beleza.
Por isto quando chegou um email do Zeca Junqueira que termina assim...
Em anexo dois poemas para você, que tem a sua briga de amantes com o mundo. Foi bom para lembrar aquele texto antigo e para conhecer a poesia que fala dos que vivem nesta briga de amantes com o mundo.