Monday, March 08, 2010

O POETA MORRERÁ!

.

O poeta morrerá

Às dezoito horas

De um dia fora do tempo

-sem aviso-

.

O poeta morrerá

Em cada manhã de caos

De pão saturado de suor

De ruas saturadas de rancor

.

O poeta morrerá

Meio ao comercial

Da loja de colchões

.

O poeta morrerá -

Uma Pietá a amparar

Suas asas quebradas

Na paz dos umbrais -

.

O poeta morreu

...Poe...Orpheu

.

(e corvos tão iguais nos beirais)

.

Bárbara Lia

Cigarras no Apocalipse

ed.21gramas/2010