Sunday, April 25, 2010

Festipoa

Fernando Ramos ao meu lado no palco, o editor do Jornal Vaia que agita Porto Alegre com a Festa Literária - neste ano em sua terceira edição.

Os dias de festa encurtam as horas. Quando estou em minha casa vivo esta elasticidade do tempo. As tardes que passo com meu neto de três meses - voam. A Festipoa voou. Uma sucessão de poesia saltando à flor dos olhos e uma sucessão de homens e mulheres embebidos em Água Viva.
Uma saudade de Clarice Lispector.
Uma saudade da minha amiga Rebecca Loise cujo amor mútuo explodiu em um olhar, na escuridão do porão do Wonka Bar, a menina com cabelos de fogo que sobe ao palco, este farfalhar de almas que ao primeiro momento se reconhecem. Lembrei minha amiga distante quando o mesmo instante-fagulha ocorre em um outro lugar, uma outra pessoa incrível que se aproxima - Marília - caminhar por Porto Alegre sem lenço ou documento e tomar café na confeitaria com Marília, Estela. Sempre uma Estela maravilhosa em cada esquina, com E ou com S. É de chuva o meu livro, é de chuva a bibliomância de quem abre e lê - a chuva baila cinza na vidraça que abre a cidade e as cicatrizes de concreto - algumas cicatrizes serão eternas, pois cortaram fundo demais...

Aqui tudo é esta alegria que apenas a poesia explica - atualizando notícias no twitter -  este menino corajoso que é um dos organizadores do evento - o Fernando  - que edita o jornal - Jornal Vaia -