Friday, March 08, 2013

O Verão das Musas #9 - Frida Kahlo



Encerro o ciclo das Mulheres que admiro. Existem outras. Existem tantas. Eu sou tantas. O tanto que a Mulher representa no Mundo jamais saberemos dizer, cantar, colocar em versos, música... Amo esta mexicana forte, esta que em muitas horas duras me apontou o Norte. Força espelhada em suas telas. Incrível Frida, irreverente, ÚNICA. 

Escrevi um poema que tem o título - Lendo Clarice Lispector - Ele é de toda Mulher, pois ele resume a força fêmea...

Mulheres sofrem meio às rosas / espinhos escondidos em seus cabelos / seios nus beijados pelo amado / velas de um barco / onde o timão balança / entre a neve e a primavera. // A gota clara do orvalho na rosa / é lágrima fêmea / que brilha enquanto sofre. (O sal das rosas)

Este brilho de Frida é o sol de muitas mulheres. Nosso fraquejar se torna pífio diante dela. É pouco o que enfrentamos diante de tantos contratempos da vida de Frida. E o que ela fazia? Ela sacava os lírios entre as foices, ela os colhia rapidamente, por saber que breve algo ceifaria - antes dela - as possibilidades. O que sei de amar urgentemente? O que sei da urgência é que ela é a minha própria vida, isto que alguns acham que é ansiedade é apenas o voo faminto para pegar o que é meu, antes que venha a maré, antes que venha a foice, antes que cerrem as portas, antes que escoe o tempo, antes que a dor se torne insuportável. Sabemos disto, Frida e eu. Para mim tudo foi mais leve, mas, ainda assim é uma droga conviver com algo que nos tolhe, ainda que pouco... Para Frida, eu tiro o chapéu. Não apenas para a Mulher, eu tiro para sua Arte. Sabendo que tudo está atado. Os grandes Artistas também são Grandes em suas vidas. Só alguém inteiro e forte pode compor uma eternidade. A vida plena não é mesmo para os fracos. A única questão com quem queima como estrela neste mundo é que a vida fica mais curta. Não é possível queimar impunemente. O que consola é que o fogo dos grandes não apaga, sua marca fica, imprimem a Beleza e nem importa se o tempo é pouco e se a dor dilacera. 
Gosto de ser Mulher, Frida. Sei que também amavas ser Mulher. Isto imprime sensualidade. Isto de ser mulher protótipo é triste. Bonito mesmo é ser ÚNICA. E só as Mulheres Únicas merecem as Loas neste dia. E acredito mesmo que este dia é apenas para as Mulheres Únicas. As que gostam da máscara de falsa igualdade, protótipos que insistem em vestir a pseudo-fragilidade feminina para ter um lugar, um cara ao lado, afagos em suas cabeças... Não merecem um dia especial. Estas não brilham, não queimam, estas apenas seguem - ovelhinhas brancas robotizadas. 


http://www.museofridakahlo.org.mx/