Thursday, August 08, 2013

Agosto





Agosto


“Como aqueles primitivos que carregam consigo o maxilar inferior dos seus mortos, eu te carrego comigo, tarde de maio”
Carlos Drummond de Andrade


A mim restou este Agosto
Loucos gritos roucos
Ruínas sem rima
Versos apócrifos em esperanto

A mim este calcanhar de vidro
Telhado de Aquiles
Chão incerto de tombadilho

Pedra. Pedra. Pedra.
No começo do caminho
No meio do caminho
No fim do caminho

Ar puro agosto
Rosário de escombros
A tudo transformei
Em maios deslumbrantes


Bárbara Lia
/2013
Imagem _ Monica Cook