Saturday, August 09, 2014

O trono das Araucárias

Miguel Bakun



Jaques Brand entrevista Adriano Smaniotto... E em  um determinado momento Smaniotto diz:
Recentemente um professor da UFPR apresentou três amigos dele como continuadores do Leminski (eu mereço!). Depois do Leminski há trinta poetas dignos de nota, mas se ele admitir isso, seus amiguinhos perderão o trono.

entrevista completa no Jornal Relevo:

http://issuu.com/jornalrelevo/docs/relevo_agosto_2014


A incrível terra das Araucárias. Um lugar improvável, onde brotam poetas de estilos vários, homens e mulheres. As mulheres mudam-se, as mulheres com potencial poético não conseguem RESPIRAR meio ao avassalador cenário. É esta impressão que dá, quando poetas curitibanas de primeira linha como Alice Ruiz e Greta Benitez não estão mais por aqui. Bia de Luna morreu. Eu, comecei tarde, com holofotes logo na estréia, com a luz veio as mariposas... Apagar a luz para evitar as mariposas? Nada sei. Nada quero dizer.  Vivo, como viveu o poeta desta entrevista, o estranhamento. Uma pequena dor ao ler textos tendenciosos. O silêncio. O silêncio eterno. Dê sua resposta com Literatura, disse uma amiga. Ainda que abale saúde, rasgue retina, e boicote seu espírito guerreiro. Seguir. Isto não é uma resposta. Isto não é uma pergunta. É só partilha, ao perceber o quanto pode ser cruel com uma infinidade de Poetas algumas posturas. Não apago a luz. Não acendo a luz. Escrevo. E sempre foi assim, tudo que aconteceu comigo foi por conta da Poesia. Prefiro assim. Deve ser avassalador existir apenas e quase que tão somente pela louvação de amigos. Isto eu não quero para mim.