Thursday, April 30, 2015

29 de Abril - O dia do Massacre






A palavra é MASSACRE. Não é - confronto - como a mídia oficial está a propalar. O MASSACRE de abril. Mancha e vergonha e dor. Minha pressão arterial subiu, a indignação saltou e tirou o ar do peito. Triste. Uma droga. A falta de respeito que foi instaurada e a humilhação que impuseram aos Mestres. "Estamos aqui tomando água de coco enquanto os professores são bombardeados". Fala do Deputado Tadeu Veneri em um canal que transmitia o que ia dentro da Assembléia, diferente de uma calma que sempre permeia este deputado, havia uma máscara de incredibilidade em seu rosto e fala...Era, na verdade, inacreditável o que se passava lá. E as bombas estão caindo de um helicóptero, ele dizia. Nada mudava a opinião dos que insistiam em votar, desliguei, pois não quis mais assistir o circo dentro. Meu coração estava lá fora. NY Times, Globo, a grande imprensa internacional copiou a mídia oficial brasileira. Uma dor ler a palavra confronto e nem citado o nome de Beto Richa em notícias veiculadas pelo mundo. Revolta. Esta vontade de dizer, então é isto... A nossa propagação nas redes sociais é mais que necessária, para quebrar esta camada de aceitação. É aceitável um governante defender e revidar aos ataques... Só que, aqui, ataque não houve... Aqui, eram pessoas exercendo a cidadania. Quem pode, usando a lei, mover qualquer tipo de ação contra os responsáveis por este massacre, deve fazê-lo... Sim, em um Estado onde a ampla maioria votou neste piá de prédio, fica difícil um movimento de massa para exigir que - tudo seja apurado - é ilusão pensar que todos carregam esta dor... Ou, quem sabe, algo mude nas mentes e, num movimento coletivo, seja possível uma ação drástica contra este governo do Beto Hitler. o Pinochet do Paraná. Respirar fundo, tomar muito suco de maracujá. E seguir com o desejo de que nunca mais em nossa cidade, neste Estado que eu amo e onde eu nasci, aconteça algo tão degradante, tão triste, tão dolorido. Não estou lecionando há algum tempo, mas, ainda sinto que sou um deles, em um campo de guerra, sangrando...