Saturday, June 13, 2015

Outono mais lindo...

Nesta semana que finda, deste outono raro, nadando nesta bruma, voando sem asas, um instante pra abraçar o ar, dançar. Dançar ainda que o pé não obedeça ao comando, alguma coisa em mim - inevitavelmente - traria esta rebeldia que não obedece ao comando. Alguma coisa em mim segue como barca em mar rançoso a um passo do abismo. Alguma coisa em mim insiste em ter vinte anos - ainda - e toda a audácia de ser céu. Alguma coisa em mim ignora o relógio e ousa inverter ponteiros, recomeçar o jogo já perdido. Alguma coisa em mim vibra em uma semana mágica, onde uma mente brilhante elevou-me aos patamares de humanidade repartida, em uma conversa incrível, tão incrível que somos expulsos do café, todas as mesas vazias, todas as cadeiras reviradas e apenas nós, com desejo de falar até que o mundo termine, pois existe um lugar onde as similaridades se tocam e a vida reinaugura uma fatia de um jardim perene, um amigo nasce no outono fecundado de esperanças. Uma semana para retomar os fios, comemorar com os velhos amigos com uma ferramenta íntima, onde só os amigos se cruzam em infinitas palavras, obrigada aos que atravessaram outonos vários e são os velhos amigos desta  trilha íngreme e rara chamada Poesia. Uma semana no outono onde um livro tem um sim de um editor... Outro livro se destaca além-mar, um poema da série - O céu dos poetas - ganha um lugar na Antologia de 5 anos do Jornal Relevo. E encerra com a consolidação de um convite para levar a poesia aos lugares... Uma semana onde você consegue retomar o ritmo da escrita perdido entre mudança, dor, médicos e solidão de ser poeta rebelde. Agora é preparar a virada, o semestre que virá com novos frutos, novas alegrias.