Tuesday, March 22, 2016

Março sempre prepara um abril despedaçado



.
.
Reunir cacos da Pátria
Na enseada da Esperança
Para construir um molhe
Lembra estes olhos ônix?
Eram os olhos da dignidade
Coloque-os ali, ao lado
Dos braços fortes da verdade
Nestas horas é preciso blindar
O músculo pulsante
Endureça-o com o aço da paz
Sabemos o que a podridão faz
Já vimos este filme tempos atrás
Beije pela última vez o teu amor
Breve teu coração arderá
Na fogueira da ira que virá
Melhor morrer na enseada
Na pequena ilha da esperança
Que viver na larga lagoa pútrida
Com patinhos fazendo plim plim
(isto, realmente, não é para mim)

Bárbara Lia


Gerda Taro (Foto: Robert Capa)