Friday, November 08, 2019

Arrependimento / La petite mort dans ses bras

O romance "Arrependimento" e o encarte de poesia erótica "La petite mort dans ses bras" são as mais recentes publicações.


Para ter os dois livros, ou um deles, contato via e-mail barbaralia@gmail.com


"La petite mort dans ses bras" - encarte com 12 postais de poesia erótica com ilustrações de Egon chiele, Toulouse-Lautrec e Edgar Degas.




Arrependimento - Bárbara Lia - Romance - Edição "Feito no Ato" - 92 páginas





Poesia - Bárbara Lia
Ilustrações - Egon Schiele
La petite mort dans ses bras


---




Ela sabia que Ébano amava aviões. Ele sempre corria ao Porto para esperar a descida dos hidroaviões. Aurora descobre o momento do pouso, apanha sua bicicleta e sai pedalando, aflita. Acima, estriadas nuvens. Na cidade, os murmúrios de sempre. A cidade que a conhece e que desconhece seu drama. Nada mais é igual, nada é igual pela lente de seus olhos marejados. A cinza solidão pairando ao lado. Ela o vê: corpo estirado na grama e os olhos bebendo o pouso das aves de aço. Atira a bicicleta ao chão enquanto o coração acelera. Por um momento seus olhos acompanham o hidroavião da Panair e a dança suave sobre as águas. Tira as sandálias e caminha até ele. Flanando como o avião pequeno ave branca, asas de liberdade.
Ela senta ao lado, e ele não se volta, segue rígido a contemplar as águas, como uma estátua de pedra. Aurora remoera hipóteses desde que ele mudara drasticamente: o encontro com a mãe tinha derretido a sanha de amante? A presença dela trouxe a vida de antes: maré gigante para dentro da casa? O momento em que perdeu o olhar de Ébano foi mortal. Viveria sem sua pele refrescada ainda de infância. Viveria sem o encontro perpetrado dentro do invólucro da ternura profanada. As mãos dele pousando entre suas coxas. O rito da descoberta: eu te tateio, tu me tateias. Eu te penetro, tu me absorves ao limite da entrega. Voluptuosas caminhadas na noite da agonia. Encontrar de mãos dadas o caminho que acende a fogueira dos séculos. Mil anos viveria e até o fim recriaria a fúria daquelas noites. A força com que ele a abraçava. O singrar encantado suado ao seu encontro nas tardes antigas, envoltos agora em outro mar, o mar da paixão.
Calados lado a lado até o avião sumir no horizonte azulado. 

Fragmento do romance - Arrependimento - Bárbara Lia (2019)

---

TODA POESIA EM 2020!