Thursday, August 25, 2005

espantalho e anjo

Portinari




minha mãe agasalhava espantalhos.
(pensava no trigo que seria pão)
meu pai rasgava os véus da noite

- descortinando anjos -
(pensava no sonho – oxigênio da alma)


décadas de ternura... e cá estou:
mãos de palhas chamuscadas pelo fogo,
asas esgarçadas de noturnas danças
abraçada ao poema-amante-teso.
percebendo com uma ternura gasta,
além de pai & mãe
fui espantalho & anjo.
*******
*
Bárbara Lia