Friday, September 09, 2005

LENDO CLARICE LISPECTOR






Mulheres
Sofrem meio às rosas
Espinhos escondidos
Em seus cabelos.
Seios nus
Beijados pelo amado.
Lençóis ao vento.
Vela de um barco
Onde o timão balança
Entre a neve
E a primavera.


Todos sofrem:
A gota prata
Do orvalho na rosa
É lágrima fêmea
Que brilha
Enquanto sofre.

- Poema acima e outros + entrevista no site Germina:http://www.germinaliteratura.com.br/pcruzadas_abril.htm

Cadê a primavera? Pensando no amor e na liberdade de amar...
Pensando em um poema de Neruda:
Quisera hablarte en besos
Asi lograria decirte
mi necesidad de ti
mi sed de ti.